As exportações portuguesas de têxteis e vestuário caíram 4,3% em novembro de 2019, comparativamente ao mesmo mês do ano anterior, divulgou esta quinta-feira a Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP).

Num comunicado em que cita dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), a ATP refere também que nos primeiros onze meses de 2019 as exportações do setor somaram 4.887 milhões de euros, menos 1% do que em 2018.

Neste período, a maior quebra absoluta registou-se no vestuário de malha (-52 milhões de euros, equivalente a -2,5%), refere a associação setorial.

No sentido inverso, a categoria de produtos que registou maior acréscimo absoluto foi a de vestuário em tecido, com mais 26 milhões de euros.

A ATP esclarece ainda que as exportações para mercados extracomunitários aumentaram 3,7%, enquanto que para os mercados intracomunitário registaram um decréscimo de 2%.

Em relação aos destinos com maior acréscimo absoluto, no período em análise, os Estados Unidos lideram com mais 19 milhões de euros, seguidos de França, com mais 15 milhões de euros, os Países Baixos, com mais 12 milhões de euros, e a Turquia, com mais 10 milhões de euros.

Pelo contrário, no mesmo período, as exportações para Espanha registaram um decréscimo de 79 milhões de euros e para a Alemanha menos 15 milhões de euros, tendo estes sido os mercados que sofreram maiores quebras em termos absolutos.

Ainda assim, destaca a associação, “as importações de têxteis e vestuário estão em alta: mais 3% face a janeiro-novembro de 2018, com Itália, China, Espanha e Marrocos a liderarem a tabela dos países que assinalaram maiores acréscimos em termos do valor importado”.