O tribunal ordenou a prisão preventiva a um homem detido na terça-feira por suspeita de ter praticado vários crimes no Algarve, entre os quais rapto, violação e furto, foi esta quinta-feira anunciado.

De acordo com a página da internet da Procuradoria da República da Comarca de Faro, o homem de 35 anos, residente no Algarve, é o alegado autor “de dois crimes de rapto agravado, seis crimes de violação, dois crimes de ameaça agravada, dois crimes de ofensa à integridade física qualificada e dois crimes de furto”, ocorridos em abril e maio de 2019.

Segundo o MP, existem suspeitas de que o homem terá obrigado duas mulheres, “que conheceu em bares”, a manterem relações sexuais consigo depois de as ter “agredido e ameaçado repetidamente”.

“As ofendidas estiveram privadas de liberdade nas casas do arguido, num dos casos, por cinco dias, no outro, durante mais de um mês”, tendo esta última mulher sido libertada “depois da intervenção da Polícia de Segurança Pública”, indicou a procuradoria.

Na terça-feira, a Polícia Judiciária anunciou em comunicado a detenção do homem, efetuada no decurso de uma busca domiciliária, tendo apreendido vários objetos, entre eles “uma réplica de arma de fogo de calibre nove milímetros”.

O homem foi ouvido em primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação mais gravosa, a prisão preventiva.

O inquérito está a ser dirigido pelo MP da secção especializada de Faro do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), coadjuvado pela Polícia Judiciária.