Foi uma novela seguida de perto tanto pela comunicação social holandesa como pela norte-americana. Sergino Dest, um promissor lateral direito da formação do Ajax que foi promovido à equipa principal esta temporada, tinha a possibilidade de representar tanto a seleção da Holanda como a dos Estados Unidos — já que tem pai norte-americano e mãe holandesa. Nascido na cidade holandesa de Almere, criado no país europeu, produto da poderosa formação do Ajax, Dest só representou os Estados Unidos nas camadas jovens das seleções: e talvez por isso, no final de outubro, se tenha comprometido a jogar apenas pela seleção norte-americana.

Esta quinta-feira, o já internacional em três ocasiões pelos Estados Unidos decidiu abandonar o estágio que o Ajax está a realizar no Qatar. Em comunicado, o clube holandês que está nesta altura na liderança do Campeonato anunciou que Sergino Dest pediu para deixar o país árabe e regressar à Holanda por recear consequências da tensão que se vive atualmente entre os Estados Unidos e o Irão.

O Ajax acrescentou que o jogador de 19 anos justificou a situação com o facto de não se sentir “confortável” com a situação e o clube decidiu “compreender o pedido e honrá-lo”, explicando ainda que Sergino Dest vai treinar com os juniores em Amesterdão. A decisão do jogador surge então um dia depois de o Irão ter atingido duas bases iraquianas que albergam soldados norte-americanos, em formato de retaliação depois do ataque dos Estados Unidos que acabou por matar o líder militar iraniano Qassem Soleimani.

Além de Sergino Dest, também a própria seleção de futebol dos Estados Unidos alterou os planos devido à tensão que se vive nesta altura no Médio Oriente. Os norte-americanos tinham agendado um estágio em Doha, no Qatar, de 5 a 25 deste mês de janeiro mas optaram por cancelar a concentração “devido à situação que se está a desenvolver nesta altura na região”, preferindo treinar em Bradenton, na Flórida.