O Governo de Acordo Nacional (GNA) líbio aceitou este domingo o apelo para um cessar-fogo no país, feito por Moscovo e Ancara, algumas horas depois do rival, marechal Khalifa Haftar, ter anunciado o fim das hostilidades.

Em resposta a um apelo feito na quarta-feira pelos Presidentes turco, Recep Tayyip Erdogan, e russo, Vladimir Putin, o líder do GNA, Fayez al-Sarraj, anunciou em comunicado o início de “um cessar-fogo a partir de 12 de janeiro às 00:00” (22:00 em Lisboa).

O responsável líbio sublinhou, no entanto, o “direito legítimo” das suas forças de “ripostar contra qualquer ataque ou agressão que possa surgiu do outro campo”.

As forças do marechal Khalifa Haftar anunciaram no sábado um cessar-fogo a partir das 00:00 de hoje (22:00 em Lisboa), de acordo com o apelo lançado na quarta-feira por Ancara e Moscovo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No comunicado, alertaram que “a resposta será severa no caso de violação das tréguas, por parte do campo oposto”, numa referência às forças do GNA, reconhecido pela ONU.

Haftar, que é apoiado, entre outros, pelo Egito e Emirados Árabes Unidos, desencadeou em abril uma ofensiva em direção a Tripoli, onde está sediado o GNA, dirigido por Al-Sarraj.

Na quinta-feira, o marechal Haftar tinha rejeitado o cessar-fogo sugerido por Ancara e Moscovo, e anunciou o prosseguimento das operações militares contra o GNA.

No mesmo comunicado, Haftar considerou que a estabilidade ou o relançamento do processo político na Líbia não pode ocorrer antes “da erradicação dos grupos terroristas” e da dissolução e desarmamento das milícias que, na sua perspetiva, controlam Tripoli.

Por sua vez, o GNA tinha saudado o apelo para uma trégua, mas sem indicar que posição iria adotar.

A Rússia é acusada de apoiar Haftar, ao enviar centenas de mercenários, enquanto a Turquia anunciou o envio de tropas para a Líbia em apoio ao GNA.