As autoridades de Macau registaram, no ano passado, 2.941 participações de transações suspeitas de branqueamento de capitais e/ou de financiamento do terrorismo, menos 20,86% do que no ano anterior.

De acordo com dados publicados esta segunda-feira pelo Gabinete de Informação Financeira (GIF), no ano passado foram registadas menos 775 participações do que em 2018, quando se registaram 3.716. O jogo foi, mais uma vez, a atividade que deu origem a mais denúncias, 1.913, ou 65,05% do total, seguindo-se instituições financeiras e companhias de seguros, com 880.

Outras instituições representaram 5,03% das denúncias (148), indicou o GIF. Em 2018, o jogo representava 56% do total das denúncias. Os setores referenciados, como os casinos, são obrigados a comunicar às autoridades qualquer transação igual ou superior a 500 mil patacas (cerca de 56 mil euros).