A Porsche anunciou os resultados referentes a 2019, ano em que as suas vendas cresceram 9,6%. Porém, este incremento não foi à custa de modelos desportivos que celebrizaram esta marca do Grupo Volkswagen no passado, como o 911 ou o 718, mas sim graças aos pesados e volumosos SUV.

De acordo com o fabricante, foram vendidos 280.800 veículos em 2019, mais do que os 256.255 vendidos no ano anterior. O Macan, modelo concebido sobre a mesma base do Audi Q5, foi o que teve maior procura, transaccionando 99.944 unidades, seguido do Cayenne, que partilha a plataforma com o Volkswagen Touareg, a atrair 92.055 veículos. Juntos, os SUV da casa de Estugarda representaram 68,4% do total de vendas, um crescimento face a 2018, onde estes veículos menos ágeis e mais espaçosos registaram 61,5% do total.

No comunicado, a Porsche não revela o número de unidades vendidas dos restantes modelos da gama, mas perante o crescimento dos SUV face a 2018 (16% para o Macan e 29% para o Cayenne), é de esperar um desempenho menos bom entre os modelos desportivos.

Já em 2018, a marca germânica tinha comercializado 61,5% de SUV, atingindo 76,5%  se somarmos a berlina familiar Panamera, deixando apenas 23,5% para os coupés 911 e 718. De salientar que tanto a Lamborghini como a Ferrari e a Aston Martin anunciaram que os seus SUV nunca ultrapassarão os 50% das vendas, para não beliscar a sua imagem, que querem que continue associada maioritariamente a desportivos, ágeis e emocionantes.