O comerciante Faizel Patel  foi raptado na noite de segunda-feira no bairro Ponta Gea, província de Sofala, no centro de Moçambique, disse esta terça-feira à Lusa a polícia moçambicana.

“Confirmamos que ontem [segunda-feira] pelas 19h (menos duas horas em Lisboa) ocorreu um crime de rapto. O que queremos [agora] é esclarecer o facto e resgatar a vítima”, disse o porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) na província de Sofala, Daniel Macuacua.

Os quatro raptores faziam-se transportar numa viatura Toyota “Ractis” e portavam uma arma do tipo AK47, quando bloquearam a viatura do empresário, que regressava a casa, após mais uma jornada de trabalho. O empresário, proprietário da Mutarara Comercial, tentou resistir, mas, em jeito de ameaça, os raptores dispararam e Faizel Patel, de origem indiana, foi forçado a seguir com o grupo, abandonando a sua viatura.

“As linhas operativas já foram ativadas. Está a polícia, o Serviço Nacional de Investigação Criminal e outros, a trabalhar para identificar e neutralizar o referido grupo”, avançou o porta-voz da PRM. Este é o segundo caso de rapto que se regista naquela província em pouco mais de um mês.

A 6 de dezembro, o filho do empresário Hanif Chacha, também do ramo do comércio na Cidade da Beira, foi raptado no bairro das Palmeiras. Na cidade de Maputo, o filho do empresário Juneide Lalgy, ligado aos transportes de carga, foi sequestrado a 28 de novembro. Após uma onda de raptos nas principais cidades moçambicanas que começou em 2012, os casos deste tipo de crime reduziram nos últimos anos, o que é associado a uma série de detenções e condenações de pessoas envolvidas nestes delitos.