*Em atualização

A Câmara de Representantes votou esta quarta-feira o envio para o Senado dos dois artigos para o impeachment de Donald Trump, escolhendo quem serão os promotores para o julgamento político do Presidente dos EUA na câmara alta do Congresso, avança a CNN.

Esta terça-feira, Nancy Pelosi, a democrata que é líder da Câmara dos Representantes, já tinha afirmado que os membros do seu partido iam utilizar a maioria que têm no Congresso para enviar os artigos para o Senado. Agora que foram aprovados, o julgamento do processo de destituição de Donald Trump, com base em acusações de abuso de poder e de obstrução ao Congresso devido à relação com a Ucrânia, deverá começar já a 21 de janeiro.

Donald Trump é o terceiro presidente dos EUA sujeito a um processo de impeachment depois de Richard Nixon e Bill Clinton. Para ser removido do cargo é preciso que dois terços dos membros do Senado vote a favor depois te ter sido feito julgamento político que poderá expor mais pormenores do caso que leva Trump a este processo. Donald Trump é acusado de pressionar o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, para investigar a atividade do filho de Joe Biden — atual candidato na corrida presidencial do partido democrata e antigo vice-presidente dos EUA na presidência de Barack Obama — junto de uma empresa ucraniana.

Como explicado no guia do Observador para o Impeachment de Trump, esta quarta-feira a Câmara dos Representantes designou um conjunto de congressistas que agirão como procuradores no julgamento no Senado.

Agora, o presidente do Supremo Tribunal, o juiz John Roberts Jr., desempenhará a tarefa formal de fazer o juramento de todos os senadores. Depois desse ato solene, os senadores tomam decisões mais práticas, definindo as regras processuais a serem adotadas durante o julgamento no Senado. Entre as regras a definir está, por exemplo, a duração dos depoimentos.

Segue-se, então, um pedido para que o presidente Donald Trump se apresente no Senado para responder às acusações que lhe são apontadas. O presidente dos EUA pode recusar (o que equivale a uma declaração de inocência da sua parte) ou então pode estar presente.

Os representantes como procuradores foram: Adam Schiff; Jerry Nadler; Hakeem Jeffries; Jason Crow; Val Demings; Zoe Lofgren; e Sylvia Garcia.