Um incêndio de origem desconhecida atingiu na quarta-feira a Catedral de Santa Isabel de Malabo, a maior igreja cristã na Guiné Equatorial, destruindo parte do edifício. As autoridades ainda não anunciaram se há vítimas a registar devido ao incêndio.

Vários vídeos e fotografias surgiram nas plataformas sociais, principalmente no Twitter, nos quais é possível ver a catedral em chamas.

As chamas foram controladas pelos bombeiros por volta das 19h locais (18h em Lisboa), que utilizaram mangueiras de incêndio para pulverizar a fachada da catedral com água, de acordo com a agência France-Presse.

“Acabámos de apagar o fogo. Acabou. O telhado desapareceu, é um desastre”, afirmou o bombeiro Alfredo Abeso à AFP. Um outro bombeiro confirmou que “o telhado inteiro desapareceu” e que “o interior ardeu”.

A causa do incêndio ainda não é conhecida, mas a catedral estava fechada ao público desde 7 de janeiro para obras de renovação.

Na mesma rede social, a embaixada de França em Malabo partilhou uma mensagem em que comparou o incêndio com aquele que atingiu a Catedral de Notre-Dame, em Paris, em abril.

“O incêndio que assolou a Catedral de Santa Isabel lembra-nos cruelmente aquele que assolou Notre-Dame de Paris em abril passado”, escreveu a embaixada, acrescentando: “Partilhamos a emoção dos nossos amigos de Malabo e da Guiné Equatorial e esperamos que o fogo possa ser controlado rapidamente”.

“Invade-nos um profundo sentimento de tristeza quando vemos as imagens da Catedral de Santa Isabel em Malabo, símbolo da mais pura fé do povo de Guine Equatorial”, escreveu a Embaixada norte-americana em Malabo na mesma rede social.

Construída entre 1897 e 1916, num estilo neogótico, a Catedral de Santa Isabel é um dos principais pontos turísticos da Guiné Equatorial, sendo considerada a Notre Dame de África.