Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) vão fazer um estudo sobre o radão, para elaborarem “um mapa nacional de risco” deste gás, estabelecendo “medidas de proteção da saúde das populações”, foi anunciado esta quinta-feira.

Uma equipa de investigadores do Laboratório de Radioatividade Natural (LRN) da UC vai “realizar um estudo sobre o gás radão, tendo em vista a elaboração de um mapa nacional de risco, que permita estabelecer um plano de medidas de proteção da saúde das populações”, afirma a UC numa nota enviada hoje à agência Lusa. “A elaboração do Plano Nacional do Radão é uma obrigação legal da Agência Portuguesa do Ambiente (APA)”, prevista no âmbito do decreto-lei 108/2018, recorda a UC.

Para realizar o estudo, solicitado pela APA, a equipa de especialistas, liderada por Alcides Pereira, docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e diretor do LRN, vai pedir a colaboração de voluntários dispostos a instalarem “pequenos detetores de radão nas suas habitações durante um período de três meses”. Os interessados em participar no estudo podem obter o dispositivo, sem qualquer custo associado, enviando o pedido para radao@uc.pt, estando a informação sobre o projeto disponível na página Web da APA. Este trabalho visa dar resposta “à transposição para a legislação nacional de uma diretiva comunitária sobre radioatividade natural”, refere Alcides Pereira.

“Pretende-se simplesmente obter um mapa geral do país que identifique as zonas mais problemáticas no que respeita à exposição do ser humano ao gás radão”, explica o investigador, citado pela UC. Com base nesse mapa, que deverá estar concluído no verão, será possível “estabelecer um conjunto de medidas capazes de mitigar o problema e proteger a saúde das populações”, acrescenta.

“Naturalmente, iremos encontrar zonas do país com valores muito diferentes, porque o país é geologicamente muito diferenciado”, esclarece ainda o catedrático da FCTUC. Alcides Pereira nota que, atualmente, “não existem dados coligidos e sistematizados que mostrem a situação geral do país. Existem estudos pontuais, informação parcial”.

Dependendo do nível de exposição, o gás radão pode ser um problema para a saúde humana. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o radão é a segunda causa de cancro do pulmão, a seguir ao tabaco.

O Laboratório de Radioatividade Natural da FCTUC, sediado no Departamento de Ciências da Terra da FCTUC, é um laboratório com acreditação internacional para avaliar todos os parâmetros radiológicos que permitem responder à globalidade das exigências impostas pela União Europeia, refere na mesma nota a Universidade de Coimbra.