O Japão anunciou esta quinta-feira o primeiro caso de uma pneumonia viral, causada por um novo tipo de coronavírus, com origem na cidade chinesa de Wuhan, onde matou já uma, passou e infetou 40.

O paciente é um cidadão chinês, de 30 anos, que reside na prefeitura japonesa de Kanagawa, no sul de Tóquio, mas que visitou Wuhan no início do ano, disse o Ministério da Saúde japonês. O homem deslocou-se a um centro médico no mesmo dia em que regressou ao Japão, em 6 de janeiro, depois de três dias com febre. No dia 10 de janeiro foi hospitalizado e teve alta na quarta-feira, após os sintomas terem diminuído, acrescentou o ministério.

Os testes do Instituto de Doenças Infecciosas do Japão deram positivo para o novo tipo de coronavírus na quarta-feira.

Este é o segundo caso registado fora da China, já um outro tinha sido detetado na Tailândia.

Novo vírus misterioso. OMS alerta para contágios em massa e pede a hospitais de todo o mundo para se prepararem

As autoridades chinesas disseram que a doença teve origem num mercado de mariscos situado nos subúrbios de Wuhan, cidade no centro do país e um importante centro de transporte doméstico e internacional. Segundo o testemunho do paciente japonês, durante a viagem a Wuhan ele não visitou esse mercado, mas poderá ter estado em contacto com um dos doentes chineses.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na quarta-feira, as autoridades de saúde de Wuhan admitiram a possibilidade de que aquela pneumonia seja transmissível entre seres humanos, referindo o caso de um casal em que o marido, trabalhador no mercado, desenvolveu a doença antes da mulher, que não se deslocou ao local.

Os casos de pneumonia viral alimentaram receios de uma potencial epidemia, depois de uma investigação ter identificado a doença como um novo tipo de coronavírus, uma espécie de vírus que causam infeções respiratórias em seres humanos e animais e são transmitidos através da tosse, espirros ou contacto físico.

Coronavírus. Que vírus é este que está a deixar o mundo em estado de alerta?

Alguns destes vírus resultam apenas numa constipação, enquanto outros podem gerar doenças respiratórias mais graves, como a pneumonia atípica, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que entre 2002 e 2003 matou mais de oito mil pessoas em todo o mundo. Até ao momento, os sintomas descritos para a pneumonia viral de Wuhan são febre e fadiga, acompanhados de tosse seca e, em muitos casos, falta de ar.

O alerta de disseminação do vírus foi dado depois de o primeiro caso detetado fora da China ter sido conhecido esta semana, o de um tailandês que visitou Wuhan.

Realizaremos estudos epidemiológicos preventivos e colaboraremos com organizações relevantes, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), para avaliar os riscos”, afirmou o Ministério da Saúde japonês.

Depois de a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter alertado os hospitais de todo o mundo para a possibilidade de se depararem com um novo vírus, equacionando até um cenário de contágio em massa, a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, garantiu aos jornalistas que não há qualquer motivo para alarme. “Não há grande probabilidade de chegar a Portugal: mesmo na China o surto foi contido, para o vírus chegar cá seria necessário que alguma pessoa tivesse vindo da cidade afetada para Portugal”, explicou.

“Não há motivo para alarme”, diz DGS sobre vírus que já fez um morto na China e levou OMS a lançar alerta global