A agência de rating norte-americana Moody’s manteve esta sexta-feira a notação financeira de Portugal em “Baa3”, acima de lixo, e a perspetiva em positiva.

De acordo com um comunicado no site da agência, a Moody’s assinala que a notação relativa a Portugal não foi atualizada na data prevista, esta sexta-feira.

Desta forma, mantém-se a notação de “Baa3” e perspetiva positiva que fora anunciada em 9 de agosto de 2019.

À data, a Moody’s assinalou que a mudança da perspetiva de estável para positiva se deveu a dois fatores: o “contínuo declínio do ‘fardo’ da dívida pública a uma velocidade maior do que o anteriormente antecipado” e “a perspetiva de melhorias sustentadas na saúde do setor bancário português”.

A próxima avaliação da Moody’s à notação financeira da dívida portuguesa ocorrerá em 17 de julho.

A Moody’s é assim a única agência de rating a deixar a dívida de longo prazo de Portugal apenas um nível acima do “lixo”, já que as restantes agências colocam a notação da dívida nacional ao segundo nível da categoria de investimento.

Em 22 de novembro de 2019, a Fitch tinha sido a última agência de rating a pronunciar-se sobre a notação financeira da dívida portuguesa, mantendo o rating em “BBB”, o segundo nível da categoria de investimento, com perspetiva positiva.

Em 4 de outubro, a agência de notação financeira canadiana DBRS melhorou o rating da dívida soberana de Portugal de “BBB” para “BBB alto”, com perspetiva estável.

Em 13 de setembro, também a agência de notação financeira norte-americana Standard & Poor’s (S&P) reviu de estável para positiva a sua perspetiva sobre o rating de Portugal, mantendo a avaliação da dívida portuguesa em “BBB”.

O rating é uma classificação atribuída pelas agências de notação financeira que avalia o risco de crédito (capacidade de pagar a dívida) de um emissor, que pode ser um país ou uma empresa.

Cada agência de rating tem a sua própria escala de avaliação, mas em todas a melhor classificação é o triplo A (AAA) e as letras C ou D indicam avaliações em que o investimento é considerado de risco ou especulativo (vulgarmente designado lixo).