Desenhar era a paixão de todos os dias. Os estudos diziam-lhe pouco e foi ainda adolescente que fez o curso de pintura na fábrica de porcelana da Vista Alegre, nos anos oitenta, depois de passar os testes e de lhe ter sido criada a categoria de pré-aprendiz por não ter idade para trabalhar. Ainda aprendeu com Armando Pimentel, o último mestre de pintura, e, passados quase 40 anos de experiência, Margarida Oliveira diz que se aprende até morrer. “É um trabalho muito complexo e muito exigente, tenho a bênção de adorar o que faço, mas não basta ter talento, são anos e anos de prática”, conta, enquanto pinta, delicadamente, dois elefantes Ganesha, no stand da Vista Alegre da maior feira europeia de decoração e lifestyle da Europa, a Maison et Objet, em Paris. O destaque da montra são as jarras de vidro assinadas por Claudia Shiffer, na primeira colaboração com a marca centenária da qual é admiradora e colecionadora.

Mas os holofotes, por agora, pertencem à artesã — há uma roda de estrangeiros à sua volta. Gabam-lhe a perícia cirúrgica do pincel e não escondem a admiração ao Observador. “É um trabalho extraordinário, não imaginava que tudo fosse pintado à mão”, conta uma professora inglesa de visita à feira pela primeira vez, enquanto tira fotografias às divindades indianas de porcelana. “Pode perguntar-lhe quanto tempo demora a pintar esta peça?”, atira. São cerca de três a quatro dias para ficar “perfeita”, responde a pintora cuja arte já esteve também ao vivo e a cores em feiras de Frankfurt e Milão. “Este contacto com as pessoas é muito gratificante”, confessa, sem esconder o orgulho.

É a primeira vez de Margarida na Maison et Objet, na 25ª edição, com a presença de 114 empresas portuguesas, entre quase três mil marcas internacionais, espalhadas por quilómetros e quilómetros de expositores, na média dos 80 mil visitantes. Portugal é o oitavo país mais representado num dos mais prestigiantes eventos na área da decoração, o momento ideal para lançar Cloudy Butterflies by Claudia Schiffer, a primeira colaboração da antiga top model para a Vista Alegre e Bordallo Pinheiro.

6 fotos

Claudia Schiffer que herdou a paixão pela arte dos pais que enchiam a casa de família com muitos objetos, posa ao lado de peças Bordallo Pinheiro na mesa da cozinha, no seu perfil de Instagram. Foi também com elas que se deixou fotografar quando abriu as portas da sua casa, em Inglaterra, à equipa criativa portuguesa para o brainstorming inicial entre os desenhadores da manequim e os profissionais da fábrica. Até chegar ao resultado final, passou cerca de um ano e meio, após acertos jurídicos de ambas as partes, conta Nuno Barra, diretor de marketing da Vista Alegre. “Sabíamos que era admiradora da marca e como temos um amigo comum que trabalha com o marido dela (é casada com o realizador Matthew Vaughn de quem tem três filhos) surgiu, em conversa, o convite”, revela. As cores das jarras que integram a coleção Única da Vista Alegre – o centro das atenções na casa da marca do certame parisiense – foram escolhidas por Claudia Schiffer, que elegeu o vidro como material para as suas peças.

Após várias fases do processo, as três jarras de vidro (que estarão à venda em loja a partir de abril, por 1500 euros cada) foram produzidas na fábrica da Vista Alegre, em Alcobaça, através da complexa técnica de “incalmo”, frequentemente utilizada na Idade Média, num desafio superado pelos mestres vidreiros, que além de serem sopradas e manuseadas sem molde, tiveram a dificuldade acrescida de fundir a quente as várias cores, sem as misturar. Schiffer, que por estes dias também se dedica à decoração de interiores, recebeu em casa o produto final, depois de um trabalho em conjunto com as duas equipas. “Foi muito acolhedora e cedo percebemos que queria criar as peças inspiradas no seu amor pelo campo e pela ligação forte à natureza”, revela ainda Nuno Barra, acrescentando ter conhecido in loco objetos especiais de Claudia Schiffer. “Foi buscar uma coleção de tartarugas que faz há muitos anos para nos mostrar”, conta.

3 fotos

Schiffer não escolheu tartarugas mas sim borboletas, as peças coqueluche do expositor da Bordallo Pinheiro, produzidas na Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, fundada em 1884. “Este lado naturalista do autor é o que a encanta muito”, conta. São muitos os visitantes curiosos à volta das borboletas que parecem esvoaçar, entre a erva alta, e que tanto podem continuar suspensas numa parede, como ir à mesa, servindo de terrina ou fruteira. “Ela quis peças que se possam usar todos os dias”, assinala o diretor.

Recorde-se que a marca portuguesa de porcelana, cristal e vidro fechou 2019 com mais de 30 prémios internacionais de design e pretende continuar as parcerias com grandes nomes do design contemporâneo, da pintura, escultura, arquitetura, literatura e moda que emprestam o seu talento a muitas criações da marca. Claudia Schiffer é o último nome duma lista que inclui Christian Lacroix, Oscar de La Renta, Marcel Wanders, Siza Vieira e Joana Vasconcelos, entre muitos outros.