“[As forças policiais] compram [equipamento de proteção do seu próprio bolso] porque querem e não têm nenhuma necessidade de o fazer. É preciso dizê-lo com toda a transparência. Há matérias que são diferentes, que são fardamento, em que há um subsídio. Mas o que é considerado como necessário pelos comandos é aquilo que é atribuído”, disse Eduardo Cabrita ao Diário de Notícias e à TSF. Em entrevista, publicada este domingo, o ministro da Administração Interna afirma que as reivindicações dos sindicatos têm sido ouvidas e que o Governo está a assegurar investimento para as forças de segurança.

“Por exemplo, no ano passado gastámos mais de 100% da previsão inicial em viaturas e equipamentos de proteção individual. Gastámos menos em infraestruturas, porquê? Porque há um ciclo de obra que é diferente. É preciso fazer o projeto, lançar o concurso e, portanto, a despesa em obra vai concentrar-se em 2021 porque as obras – algumas já estão feitas e vão ser inauguradas – têm um ciclo que é diferente de comprar radares, alcoolímetros, coletes, que são coisas mais rápidas”, disse Eduardo Cabrita.

Apesar desta afirmação — de que os polícias compram equipamento porque querem –, Eduardo Cabrita não consegue garantir que não existam falhas de material: “Não posso nunca garantir isso. (…) Falta muita coisa nas nossas forças de segurança e é necessário recuperar e, por isso, temos padrões tão exigentes como aqueles que estão neste Orçamento do Estado.” O ministro da Administração Interna garante ainda que o Governo está a dar resposta às reivindicações das forças de segurança, cujos protestos arrancam já esta terça-feira, 21 de janeiro.

Em entrevista, Eduardo Cabrita deixa claro que não vai haver fusão da PSP e da GNR: “Uma coisa são funções técnico-policiais, com competências próprias da PSP e da GNR, e, portanto, não haverá nenhuma fusão das polícias, é preciso deixar isso perfeitamente claro”.

O tema, esclarece o ministro, “não está aberto” e não está também no programa do Governo. Ainda assim, acrescenta que “pagar vencimentos, assegurar a manutenção de veículos, adquirir combustíveis… Há um conjunto de questões logísticas e de suporte que hoje são desempenhadas por polícias ou militares e que podem ser desempenhadas integradamente”. Para Cabrita, faz sentido “neste momento” que em Portugal continue a existir uma PSP e uma GNR. Faz sentido, diz, “no horizonte da minha responsabilidade política, que é esta legislatura. Se me perguntarem como será daqui a 50 anos, não sei”.