O ano de 2019 foi o 9.º ano consecutivo em que as vendas da Lamborghini cresceram. Só que, desta feita, em todas as regiões, e com um líder destacado a empurrar o crescimento da marca de Sant’Agata Bolognese: nem mais nem menos que o Lamborghini Urus, que brilhou no seu primeiro completo de vendas.

Depois de ter conquistado 1761 clientes em 2018, o “super SUV” italiano foi o responsável pela entrega de 4962 unidades a clientes em 2019. Número que esteve perto de se aproximar do valor global das vendas da Lamborghini no ano anterior (5750 veículos). Este ano, o crescimento foi de 43%, com as vendas a atingirem 8.205 carros em todo o mundo. O que significa que só o Urus reclama 61% das transacções, com um não menos impressionante crescimento de 182% nas vendas.

O ano de 2019 foi o mais bem-sucedido da nossa história. Conseguimos novo aumento substancial nas vendas e atingimos subidas sem precedentes. Em apenas dois anos, mais do que duplicámos o nosso volume de vendas”, destacou o CEO da Lamborghini, Stefano Domenicali.

Na região EMEA (Europa, Médio Oriente, África), as vendas aumentaram 28% face a 2018 (3206 unidades), mas foi a Ásia-Pacífico que registou o maior incremento (66%), tendo aí sido entregues 2162 Lamborghini. Porém, o maior mercado da marca italiana continua a ser os Estados Unidos da América, que absorveram 2374 unidades das 2837 (+45%) comercializadas na América em 2019.

A Lamborghini defende que não tem rival à sua altura, pois inaugurou o segmento dos SUV superdesportivos de luxo. A aposta, a avaliar pelos números, foi certeira. Feitas as contas, o Urus mais que duplicou o resultado do segundo Lamborghini mais procurado em 2019, o Huracán V10 com 2139 vendas. Seguiu-se o Aventador V12 com 1104  unidades. Resta saber se o reinado se manterá para os lados de Sant’Agata Bolognese depois de a Ferrari lançar o seu Purosangue. Sendo certo que a Lamborghini já fez saber que vender SUV é bom, mas há limites.