A Galp Energia anunciou a sua primeira grande aquisição na área das energias renováveis. O acordo feito com o grupo espanhol ACS prevê a compra de projetos de produção de energia fotovoltaica que permitirão atingir até 2023 uma potência instalada de 2.900 megawatts (MW). Esta capacidade, que equivale ao dobro da potência que foi a leilão em Portugal no passado, permitirá à Galp, segundo um comunicado, tornar-se o maior produtor de energia solar a nível ibérico.

A empresa acrescenta que esta capacidade instalada é equivalente ao consumo médio de 1,8 milhões de habitações e permitirá contribuir para a redução de 87 milhões de toneladas de CO2 (dióxido de carbono).

O negócio irá representar um investimento de 450 milhões de euros, mas está prevista a assunção de um passivo de 430 milhões de euros que está associado ao project-finance dos parques que já se encontram em operação e que correspondem a 900 megawats. No total, diz a empresa, o desenvolvimento dos projetos em carteira poderá representar um investimento de 2,2 mil milhões de euros até 2023.

Este acordo insere-se na estratégia anunciada no ano passado para responder aos desafios da transição energética.

Para o presidente executivo da Galp Energia, Carlos Gomes da Silva, este acordo representa “um passo significativo na concretização do compromisso para uma transição rumo a uma economia de baixo carbono. Este acordo reforça a posição da Galp enquanto empresa integrada de energia, materializando os seus guidelines estratégicos para o reforço de um portefóleo competitivo de renováveis e novos negócios”.

A Galp informa ainda que está a aberta a analisar oportunidades para realizar uma eventual parceria para os negócios das renováveis.

A operação está ainda alinhada com o objetivo estratégico assumido pela empresa de mobilizar 40% do investimento para oportunidades de negócio relacionadas com a transição energética. A empresa mantém a meta de investimento médio anual entre mil e 1,2 mil milhões de euros.