A UK Aid, agência governamental do Reino Unido, vai disponibilizar 17,1 milhões de libras (20,1 milhões de euros) para o desenvolvimento do setor financeiro em Moçambique, anunciou esta quarta-feira a FSDMoç, ONG moçambicana que vai gerir o fundo.

A FSDMoç refere, em comunicado, que a verba faz parte de um financiamento de 320 milhões de libras (376 ,6 milhões de euros) assegurados pelo Reino Unido para o desenvolvimento do setor financeiro em África. A ajuda foi anunciada à margem da Conferência de Investimento Reino Unido-África, que decorreu esta semana na capital britânica, Londres. “O pacote da UK Aid é um reconhecimento da necessidade de uma abordagem abrangente e integrada ao desenvolvimento do mercado financeiro em África, para a exploração do potencial económico do continente e para ajudar a lidar com os objetivos globais das Nações Unidas”, lê-se na nota de imprensa.

Os 320 milhões de libras serão usados para soluções de financiamento a atividades socioeconómicas com impacto na melhoria das condições de vida das comunidades, em especial as mais desfavorecidas. “A expetativa é cobrir todo o sistema financeiro, incluindo, entre outros, os grupos de poupança e o mercado de capitais, criando uma maior aproximação entre o setor financeiro e os setores-chave da economia, respondendo assim às necessidades básicas da população”, indica o comunicado.

A diretora-executiva do FSDMoç, Esselina Macome, afirmou que o apoio vai reforçar a capacidade de intervenção na promoção da inclusão financeira em Moçambique. “Somos gratos ao apoio da UK Aid, que nos permitirá abordar questões importantes na inclusão financeira, solucionando desafios que precisam de uma intervenção urgente, como mudanças climáticas e as crescentes necessidades de habitação, energia e água, em Moçambique”, declarou Esselina Macome, citada na nota de imprensa.