O setor da construção em Cabo Verde registou no quatro trimestre de 2019 indicador de confiança mais alto dos últimos 11 anos e o ritmo de crescimento económico continuou a acelerar, segundo dados do Instituto Nacional de Estatísticas.

De acordo com os dados do Inquérito de Conjuntura aos Agentes Económicos, nos últimos três meses do ano passado, o indicador de confiança no setor da construção manteve a tendência ascendente dos últimos trimestres, registando o valor mais alto dos últimos 45 trimestres consecutivos, equivalente a 11 anos. Nesse mesmo período, o INE concluiu que o clima económico evoluiu favoravelmente face ao trimestre homólogo, e a conjuntura no setor é favorável. Os empresários da construção civil apontaram os níveis elevados das taxas de juro, a insuficiência da procura e as dificuldades na obtenção de crédito bancário como sendo os principais constrangimentos do setor no quarto trimestre de 2019.

Nos últimos três meses do ano passado, o ritmo de crescimento económico em Cabo Verde continuou a acelerar, registando o valor mais alto dos últimos sete trimestres consecutivos. O clima económico evoluiu positivamente face ao trimestre homólogo e a conjuntura económica foi favorável, prosseguiu o instituto cabo-verdiano.

No inquérito feito aos empresários, no setor do turismo o indicador de confiança inverteu a tendência descendente do último trimestre, situando acima da média da série, e a conjuntura no setor foi favorável. Os empresários apontaram a insuficiência da procura como sendo o principal obstáculo do setor do turismo nos últimos três meses do ano passado.

Outro setor que inverteu a tendência ascendente dos últimos trimestres foi o comércio em feira, e a conjuntura no setor foi favorável. No setor dos transporte e serviços auxiliares aos transportes, o indicador de confiança também evoluiu positivamente face ao trimestre homólogo, situando acima da média da série, e a conjuntura foi favorável de outubro a dezembro de 2019.

De acordo com os empresários inquiridos pelo INE, a concorrência e as dificuldades financeiras foram os principais constrangimentos do setor no decorrer do trimestre passado.

Em sentido contrário, esteve o setor do comércio em estabelecimentos, em que o indicador de confiança manteve a tendência descendente dos últimos trimestres, evoluindo desfavoravelmente face ao trimestre homólogo, e a conjuntura económica no setor foi desfavorável. “No decorrer do quarto trimestre de 2019, a rutura de stocks e a insuficiência da procura foram os principais constrangimentos do setor”, referiu o INE.

Na indústria transformadora, o indicador de confiança dos empresários evoluiu negativamente face ao trimestre homólogo, e a conjuntura no setor foi desfavorável. Segundo os empresários, as frequentes avarias mecânicas nos equipamentos e equipamentos insuficiente foram os principais constrangimentos do setor no decorrer do quarto trimestre de 2019.

Os empresários do turismo residencial registaram também um indicador de confiança com tendência descendente, evoluindo negativamente face ao trimestre homólogo, e a conjuntura no setor foi desfavorável nesse período, concluiu o INE.