Representantes de dois dos partidos mais pequenos com assento no parlamento timorense, UDT e FM, defenderam esta quinta-feira junto do Presidente da República a criação de um novo Governo de “grande inclusão” para liderar o país.

A posição foi manifestada esta quinta-feira ao Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, por uma delegação da União Democrática Timorense (UDT) e da Frente Mudança (FM), cada um com um deputado no parlamento timorense de 65 lugares. O encontro, uma série de audições de Lu-Olo aos líderes políticos e da sociedade civil timorense, foi convocado na sequência da crise criada pelo chumbo na passada sexta-feira da proposta de Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2020.

A proposta foi chumbada devido à abstenção e votos contra do CNRT, liderado por Xanana Gusmão e o maior partido da coligação do Governo, a Aliança de Mudança para o Progresso (AMP).

O presidente da UDT Francisco David Carlos disse que a sociedade timorense não quer voltar às urnas. A atual coligação do Governo obteve maioria absoluta nas eleições antecipadas de 2018. “Dissemos claramente ao Presidente da República que defendemos um Governo de grande inclusão, sendo que a decisão final é competência do senhor Presidente”, afirmou aos jornalistas Francisco David Carlos, depois do encontro.

A grande maioria do povo quer uma grande inclusão para resolver o atual impasse”, explicou, numa opinião ecoada por Ejidio de Jesus da Frente Mudança (FM).

O Presidente da República Lu-Olo convocou um conjunto de encontros com os partidos com assento parlamentar, juristas, ex-combatentes, sociedade civil e confissões religiosas, num processo que termina a 4 de fevereiro com a convocatória do Conselho de Estado.

Hoje Lu-Olo recebeu uma delegação do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), maior força da AMP, e uma delegação do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO), terceira força política.

Na sexta-feira está previsto o encontro com a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), maior partido com assento parlamentar, atualmente na oposição.