O Brexit pode só ser oficializado no próximo dia 31 de janeiro, mas o chef Claude Bosi, que gere há vários anos o conceituado restaurante Bibendum, em Londres, onde tem duas estrelas Michelin, já sente na pele o seu efeito: acaba de saber que lhe foi recusado o visto de residência permanente no Reino Unido, depois de lá viver há 23 anos.

O Daily Mail conta que foi através da sua conta de Instagram que o cozinheiro deu a conhecer uma carta do Ministério do Interior britânico que o informava de que o pedido de visto que tinha feito em outubro do ano passado tinha sido recusado. “Estou no Reino Unido há 23 anos e hoje mandaram-me isto”, começou por escrever o chef no dito post nas redes sociais. “Adoro o Reino Unido, considerava-o até hoje a minha casa mas acabaram de me dizer que depois de 23 anos a pagar IVA e outros impostos deixei de ser bem-vindo”, continuou. 

No fim da mensagem, que até teve direito ao hastag “#thankyoubrexit” (#obrigadobrexit, em tradução livre para português), Bosi identificou o primeiro-ministro Boris Johnson antes de lançar a pergunta: “Fiz alguma coisa de mal?”.

O caso de Claude Bosi é o mais recente de uma série de vários exemplos que têm surgido dentro da comunidade estrangeira associada à indústria da restauração no Reino Unido. Tudo está ligado a um sistema de regularização da situação de residência lançado pelo governo britânico em agosto de 2019 (oficialmente, chama-se EU Settlement Scheme). De acordo com esse programa governamental, os cidadãos da União Europeia (UE) e os seus familiares, bem como qualquer indivíduo da União Económica Europeia, têm de se candidatar para confirmar o seu estatuto, de forma a poderem viver e trabalhar no Reino Unido depois do Brexit, conta o The Independent.

O chef polaco Damian Wawrzyniak, que cozinhou para a família real nos Jogos Olímpicos de Londres, por exemplo, só recebeu um estatuto provisório que lhe garante “estadia” legal durante cinco anos. Em setembro de 2019, também o restaurateur Fred Sirieix foi convidado a apresentar provas de que tinha residido ininterruptamente no Reino Unido durante os últimos cinco anos, isto apesar do seu passaporte mostrar que já lá vive há 27 anos.

Sirieix também recorreu ao Twitter para expor a situação e, 12 horas depois de o ter feito, foi contactado pelo Ministério do Interior, que lhe pediu muitas desculpas pelo erro que tinha sido cometido. Pouco depois, recebeu o e-mail que confirmava a sua permanência legal em território britânico e isso levou a uma onda de protestos que acusavam o governo de estar a priorizar ajudar a celebridades para mitigar qualquer publicidade negativa.

A conclusão do Brexit já foi aprovada pela rainha Isabel II e entrará em vigor a partir do próximo dia 31 de janeiro.

O padeiro francês Richard Bertinet, que fundou a Bertinet Kitchen Cookery School, foi descrito pela BBC em 2010 como um “campeão da comida”, mas isso também não o livrou de um caso semelhante de recusa de estadia permanente, depois de já viver nas ilhas britânicas há 31 anos.

Claude Bosi mudou-se para o Reino Unido quando tinha pouco mais de 20 anos e rapidamente ganhou fama à conta do seu talento. Ganhou uma estrela Michelin no restaurante Overton Grange, em Shropshire, e outra no Hibiscus. Neste momento tem tem dois astros no Bibendum, o seu luxuoso restaurante no bairro de Chelsea.

O Ministério do Interior já explicou que a candidatura de Bosi foi recusada porque ele “não forneceu provas suficientes” que satisfizessem “todos os critérios estipulados pelas leis da União Europeia”. Um porta-voz do mesmo organismo acrescentou: “O Sr. Bosi não se inscreveu noEU SettlementScheme. Ele solicitou um cartão de residência permanente — algo que os cidadãos da UE que vivem no Reino Unido não são obrigados ou incentivados a fazer. Já conversámos com ele para ajudá-lo a inscrever no EU Settlement Scheme, que já garantiu os direitos de mais de 2,5 milhões de pessoas”.

O Ministério do Interior informou na semana passada que mais de 2,45 milhões de cidadãos da UE viram a sua situação regularizada através deste programa que tem acumuladas mais de 300 mil solicitações.