Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nesiamón passou boa parte da sua vida no templo de Karnák, localizado na atual Luxor, recitando orações ao deus Amón. Três mil anos depois da morte do escriba e sacerdote egípcio, contemporâneo do faraó Ramsés XI, uma equipa de cientistas alcançou o prodígio de reproduzir com precisão a voz outrora escutada nos cantos e preces. Por outras palavras, foi como se esta múmia ganhasse voz e voltasse a falar.

O estudo remonta a 2013 e envolveu especialistas das Universidades de Londres e York, tendo sido publicado esta quinta-feira. Os resultados foram de igual forma partilhados nas redes sociais, com direito a uma escala em Leeds. Afinal, é no museu arqueológico desta cidade inglesa que a múmia tem permanecido.

Foi também aqui sobreviveu aos bombardeamentos nazis durante a II Guerra, corria o ano de 1941 — contrariando o desfecho que outras duas múmias então tiveram, ficando totalmente destruídas. Nesiamón, a sobrevivente, terá demonstrado um ótimo estado de conservação e um trato vocal razoavelmente intacto, o que permitiu aos investigadores avançar com a pesquisa.

Da Nature à Scientific Report, diferentes meios registaram esta semana o feito protagonizado por esta equipa, na qual se inclui Gareth Iball, um dos clínicos do Leeds Teaching Hospitals NHS Trust que se associou ao projeto e que recorda o dia, em 2016, em que parte da equipa levou o antigo padre egípcio para fazer um TAC nas instalações do hospital, tendo sido possível fazer uma impressão em 3D, replicando assim aquilo que terá sido o som da sua voz, o que permitiu a sua recriação em 2020.

O sarcófago no Museu de Leeds © DR

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Foi ao estabelecer as dimensões exatas das cordas vocais (a partir das imagens obtidas através da tomografia computorizada), que puderam sintetizar o som originalmente produzido, e criar uma cavidade oral, faringe e laringe com as mesmas características que as da múmia. À impressora 3D soma-se a intervenção de um aparelho a que chamaram de órgão de cordas vocais, que foi ligado a um teclado.

Foi através deste processo, cuja explicação detalhada pode seguir aqui, que conseguimos escutar no áudio o som da vogal “e”. Um pequeno passo para a nossa curiosidade, um passo que, lembram os investigadores, pode ser gigantesco de futuro, para dar voz ao passado mas acima de tudo dar alguma esperança a pacientes com laringes afetadas por tumores.