A atriz britânica Carey Mulligan disse numa entrevista que devia haver um “teste” para os membros da Academia de Hollywood provarem que viram os filmes nos quais podem votar, avança a Variety. Mulligan fez essa sugestão depois de ter sido questionada por que razão este ano não há nenhuma realizadora nomeadas, sendo todos os nomeados homens.

Não acho que se possa assistir a esses filmes e não pensar que eles merecem reconhecimento (…) Acho que precisam ser vistos. Gostaria de saber se o sistema funciona (…) Talvez não se deva votar a menos que possa provar que viu tudo. Deve haver um teste. Os filmes que ficaram de fora são indiscutivelmente brilhantes”, disse Mulligan.

Carey Mulligan tem colaborado nos últimos anos com várias realizadoras de forma a dar mais relevo às mulheres na indústria no cinema. Depois do comentário, Mulligan deu como exemplo filmes que podiam ter nomeado mulheres para os Óscares e não foram: “Ousadas e Golpistas” (“Hustlers”), “Mulherzinhas” e  “A Despedida”.

A revista afirma que o que não falta na Academia são rumores de que os membros que votam “não têm tempo” para ver todos os filmes antes de entregar as suas escolhas. A referência é confirmada por Mulligan: “É difícil garantir que as pessoas viram tudo e, necessariamente, do jeito que os humanos são, priorizam coisas com as quais se sentem confortáveis ​​ou pensam que vão gostar”. Por causa disso, Mulligan diz que escolhem “realizadores já estabelecidos”.

Os vencedores e nomeados dos Óscares são escolhidos pelos membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos da América (EUA), que organiza desde 1929 a cerimónia de entrega dos Óscares.

Todos os membros da Academia são profissionais da indústria do cinema. Estes encontram-se divididos por 17 “ramos” ou profissões, que incluem realizadores, atores, cenógrafos, mas também relações públicas e executivos ligados à área.

A maioria das 24 categorias a concurso é votada pelos membros do “ramo” correspondente. Ou seja, são os atores que escolhem os nomeados para melhor ator, os realizadores para o melhor realizador, etc. Contudo, algumas categorias, como a de Melhor Filme Estrangeiro ou a de Melhor Filme de Animação, têm regras específicas.

Depois de os membros da Academia escolherem os seus filmes e atores preferidos, os votos são validados e contados manualmente por uma equipa de contabilistas da PricewaterhouseCoopers (PwC), como explica a Academia.

Em 2016, o organismo a Academia tinha 6.028 membros inscritos e cerca de metade eram realizadores de cinema no ativo. Mulligan tem um filme a estrear-se em abril, com o título “Promising Young Woman”.