Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O maior fabricante alemão de automóveis, que lidera igualmente o mercado europeu, a Volkswagen, produz cerca de 6,2 milhões de veículos por ano nas fábricas que possui espalhadas por esse mundo fora. Mas há um produto que sai das suas fábricas ainda em maior quantidade do que os carros: as salsichas. Sim, porque para alimentar os seus operários fabris, a marca percebeu que saía mais barato criar uma secção exclusivamente para “fabricar” essa iguaria da culinária alemã.

À semelhança dos pistões, cambotas, portas e guarda-lamas, também as salsichas têm direito a ser identificadas por um número de peça (1K0-511-353-M), o que permite serem encomendadas sem correr o risco de acabar de ter como almoço um filtro de ar ou uma bomba de água, em vez da desejada salsicha de caril, ou currybockwurst em alemão.

Ao que parece, a Volkswagen – que produz comida nas fábrica quase há tanto tempo como fabrica automóveis, ou seja, desde os anos 30 – percebeu em 1973 que as salsichas sairiam melhores e mais baratas caso fossem produzidas pela própria marca. Daí que a administração tenha aprovado o investimento necessário para fabricar, hoje, cerca de 6,8 milhões de salsichas. Mais do que automóveis.

Richard Hammond, apresentador do The Grand Tour e que agora anima o seu próprio programa para o canal Discovery, o Richard Hammond’s Big, visitou a fábrica das bockwurst, onde trabalham ex-funcionários da linha de produção de automóveis, que deixaram de ter condições para o fazer. A fábrica de enchidos surpreende igualmente pelas reduzidas dimensões, apesar da elevada capacidade de produção.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR