É mais um elemento a inserir na já complexa equação sobre a eventual retirada de confiança à deputada Joacine Katar Moreira. Um grupo de “membros, apoiantes, eleitores, simpatizantes” do partido subscreveu um apelo — que ao que o Observador apurou já foi enviado a todos os órgãos nacionais do partido — para a criação de um “roteiro para a paz”.

Segundo a nota que acompanha a explicação sobre o roteiro, a que o Observador teve acesso, o objetivo é encontrar “uma via para assegurar a manutenção da representação parlamentar”. Inicialmente o “apelo” foi lançado “no seio do partido”, tendo mais recentemente sido alargado “aos eleitores, amigos e simpatizantes” do Livre, contando já com mais de três dezenas de subscritores.

Contactado pelo Observador, um dos primeiros subscritores — que era membro da Assembleia anterior do partido — explica que caberá aos órgãos decidir o que fazer com o apelo lançado, notando que caberá à nova mesa da Assembleia decidir ou não pela inclusão deste na discussão que terá lugar na próxima quinta-feira e onde está em cima da mesa a retirada de confiança a Joacine Katar Moreira.

“É absolutamente essencial assegurar ao país que o Livre não pode ser liquidado, seja por quem for, muito menos pela opinião publicada”, escrevem no texto.

No curto texto do apelo fica claro também que a “violência e ambivalência da linguagem que emergiu publicamente nos últimos tempos já era manifesta nas discussões nos espaços internos” e que os subscritores do apelo se sentem “responsabilizados”, estendendo-se além dos membros e apoiantes até aos “eleitores e amigos em geral” que “partilham os ideais” do Livre.