Chegar ao carro e encontrá-lo sem jantes estará longe de ser uma situação agradável. Mas não é tão pouco frequente quanto isso, razão pela qual os mais precavidos em relação aos “amigos do alheio” tendem a socorrer-se de pernos de segurança anti-roubo. A Ford admite que este expediente, por obrigar a mais equipamento e dar mais trabalho aos ladrões, até os pode dissuadir. Porém, segundo a marca da oval, trata-se de um método que não é 100% eficaz, ao contrário da nova solução desenvolvida pelos seus engenheiros, cujo “truque” está na voz.

De acordo com o construtor de Dearborn, “à medida que os sistemas de segurança dos veículos se vão tornando cada vez mais sofisticados”, os ladrões estão a virar-se para determinadas peças. E as jantes de liga leve figuram entre as que têm mais “saída”. O problema é que, mesmo quando são protegidas com pernos de segurança, nada impede que, com tempo e com ferramentas especiais, o gatuno cumpra a tarefa a que se propôs. Para acabar com essas surpresas desagradáveis e onerosas, os técnicos da Ford desenvolveram um sistema de bloqueio das jantes exclusivo, recorrendo à impressão 3D.

Juntamente com a EOS, líder em impressão 3D industrial, a Ford diz ter conseguido criar pernos de segurança únicos. E o trunfo da solução residirá precisamente aí, na singularidade, ao contrário dos restantes sistemas anti-roubo que se encontram no mercado. Explica a marca que, tal como uma impressão digital ou a digitalização da íris, a voz permite a identificação biométrica. Ora, o que a Ford fez foi gravar uma voz, “no mínimo durante um segundo”, e depois, com o software adequado, converter essa voz num padrão susceptível de ser impresso em 3D, sob a forma de porca de bloqueio e respectiva chave. Trata-se de um conjunto único, em aço inoxidável resistente a ácidos e à corrosão, como garantia extra de protecção. Para tranquilidade total, a Ford garante que o design destas peças não pode ser clonado ou copiado. Só não disse quanto custa, nem quando e onde será possível adquirir este sistema para manter os ladrões afastados das “nossas” jantes…