O Governo da Madeira investiu 1,2 milhões de euros na escola do Estreito de Câmara de Lobos, considerada “exemplar” em projetos como o de “turmas más” que tem integrado alunos com sucesso, disse esta quarta-feira o presidente do executivo.

“Esta escola é exemplar, paradigmática em projetos que têm tido um grande sucesso”, declarou Miguel Albuquerque que visitou as obras de beneficiação em curso naquele estabelecimento de 2.º e 3.º ciclo, no concelho de Câmara de Lobos, contíguo a oeste ao do Funchal. A intervenção passa pela beneficiação nos quatro pavilhões escolares e na piscina coberta atualmente existente e respetivos balneários, que vão dar lugar a um polidesportivo. O governante madeirense destacou que um dos projetos desenvolvidos por este estabelecimento de ensino foi o denominado “turmas más”, porque agregava os alunos de acordo com os resultados académicos.

Albuquerque salientou que, em vez de separar e criar turmas de elite como alguns pensavam, este projeto acabou por permitir uma melhor “integração e recuperação dos alunos”, complementando que “tem sido notável o que esta escola conseguiu concretizar” com este “projeto-piloto, que tem dado resultado”. Esta escola ainda desenvolve projetos tecnológicos, de expressão artística, com os “chamados trabalhos manuais antigos”, e interação, nomeadamente na área da robótica.

“Tudo isto são inovações muito importantes para preparar os nossos jovens para o mundo que se avizinha, repleto de incógnitas, interrogações”, sustentou o Miguel Albuquerque, sublinhando ser necessário preparar os alunos para a “mudança tecnológica que está a acontecer no mundo que é imparável, irreversível”.

Ainda vincou que os jovens têm de estar habilitados “para um mundo novo, onde a forma de vivermos, de trabalharmos, de comunicarmos e interagirmos, vai mudar substancialmente”. “A nossa obrigação é prepararmos as novas gerações para esse novos desafios”, destacou.

Sobre outras obras a decorrer em escolas da região, Miguel Albuquerque mencionou o caso da Ribeira Brava, que representa um investimento de sete milhões de euros e deve estar “concretizada no princípio do próximo ano”.