Pelo menos dez civis morreram esta quinta-feira em Idleb, no noroeste da Síria, na sequência de bombardeamentos levados a cabo por aviões de combate da Rússia, aliado do regime de Damasco, que atingiram uma clínica e uma padaria, indicou uma fonte do Observatório Sírio para os Direitos do Homem. A Rússia já veio negar a autoria do ataque, segundo a France-Presse.

As vítimas, que incluem quais cinco mulheres, encontravam-se em Ariha, localidade da província de Idleb onde as forças governamentais mantêm uma ofensiva contra grupos extremistas.

De acordo com os repórteres da agência France Presse, um médico conseguiu sair com vida dos escombros da clínica Chami destruída pelas bombas russas. Três edifícios vizinhos ficaram igualmente destruídos durante o raid, encontrando-se neste momento um grupo de pessoas a tentar resgatar eventuais feridos que se encontrem debaixo dos escombros.

O último balanço de vítimas divulgado pelo observatório faz aumentar para 21 o número total de mortos dos bombardeamentos russos nas últimas 24 horas.

Na quarta-feira, as forças governamentais tomaram a cidade de Maaret al-Noomane e progridem esta quinta-feira em direção à povoação de Saraqeb situada junto à autoestrada M5 que liga Alepo a Damasco.

Artigo atualizado às 10h56 com a tomada de posição da Rússia