A ativista Greta Thunberg anunciou na quarta-feira que já começou o processo para registar o seu nome e o nome dos movimentos “Fridays For Future” e “Skolstrejk for klimatet”, que a tornaram conhecida, como marcas. A jovem ambientalista sueca avançou ainda que irá criar uma fundação com a sua família.

“Infelizmente, ainda existem pessoas que estão a tentar fazer passar-se mim ou afirmar falsamente que “me representam” para comunicar com pessoas de alto nível, políticos, media, artistas, etc. Por favor, estejam cientes de que isto está a acontecer e sejam extremamente desconfiados se forem contactados por ‘mim’ ou alguém a dizer que me ‘representa'”, escreveu a jovem ativista na sua conta do instagram.

Publicação da ativista no Instagram

O registo fará com que Greta possa vir a abrir ações legais contra pessoas ou empresas que usem o seu nome ou o nome dos movimentos que fundou para questões comerciais que não vão ao encontro dos seus valores, explicou a ativista, acrescentando: “O meu nome e o movimento #FridaysForFuture estão a ser constantemente utilizados para fins comerciais sem nenhum acordo”.

Greta explicou ainda ter pedido o registo apenas por necessidade, garantindo não ter qualquer interesse em marcas registadas. “Infelizmente, tem de ser feito”, lamentou.

A jovem, que tem quase 10 milhões de seguidores, também anunciou a criação de uma fundação com fins não lucrativos. “Já está registada e existe, mas ainda não está de pé e a funcionar”, acrescentou, explicando que a criação desta deve-se à necessidade de “gerir o dinheiro (direitos, doações, prémios, etc) de forma totalmente transparente”.

O objetivo da fundação será “promover a sustentabilidade ecológica, climática e social, bem como a saúde mental”, explicou.