O mercado dos camiões está quase tão animado quanto o dos automóveis. E, tal como eles, a necessitar de fusões para fazer frente às necessidades da electrificação que se aproximam. Daí que a divisão da VW responsável pelos camiões e autocarros, a Traton, se prepare para oferecer cerca de 2,9 mil milhões aos accionistas da Navistar International, até aqui conhecida como International Harvester Company, para controlar o reputado fabricante americano de veículos pesados.

Para que o negócio avance, o grupo alemão propôs aos accionistas da Navistar 35 dólares por acção, o que representa um ganho de 45% face à cotação a 29 de Janeiro e 19% mais do que a média a 90 dias do valor dos títulos. De recordar que a VW já possui 16,8% da Navistar, que adquiriu em 2016, e que desde então tem havido uma aliança estratégica e tecnológica.

Mas, para a VW, “o mercado global de veículos pesados continua a evoluir e a Traton acredita que a fusão vai tornar todas as marcas mais fortes, face aos investimentos que se aproximam”. Os alemães estão decididos a juntar a Navistar às suas Man, Scania, Volkswagen Veículos Comerciais e Rio.

Para que o negócio se possa tornar uma realidade, o grupo alemão vai ter de convencer o maior investidor da Navistar e bilionário Carl Icahn, bem como Mark Rachesky, o terceiro maior dono de títulos da empresa, com 16% das acções.