Como a lei portuguesa só o permite em caso de doença mental, quando aterrarem na base aérea de Figo Maduro, espera-se que pelas 18h30 deste domingo, ao contrário do que tem acontecido aos cidadãos de outros países, como Alemanha, Espanha, França e Reino Unido, resgatados à cidade-epicentro do novo surto de coronavírus, os 17 portugueses de Wuhan não vão entrar em quarentena.

Mas vão, todos sem exceção e sem opção de escolha, ser transportados de imediato para o Hospital Pulido Valente, em Lisboa. Uma vez no local, vão repetir as análises clínicas e as observações médicas a que já foram sujeitos na China, antes da viagem, e que deram negativo nos 17 casos. A viagem, de pouco mais de 8 quilómetros, não demorará mais do que 15 minutos e deverá ser feita sem escolta, apurou o Observador. As autoridades só não decidiram ainda em que veículos será feito o trajeto — ambulâncias individuais, coletivas ou autocarro, as três opções estão ainda em cima da mesa.

Tem sido assim, dinâmica e envolta no maior secretismo, a operação de regresso dos 17 cidadãos portugueses que quiseram sair de Wuhan e da China por causa do surto de coronavírus que já infetou dezenas de milhares de pessoas e matou 304 pessoas naquele país e uma outra nas Filipinas.

Todas as entidades contactadas pelo Observador recusaram prestar quaisquer informações oficiais sobre o plano que envolve Ministério da Saúde, da Administração Interna e dos Negócios Estrangeiros, Direção-Geral de Saúde (DGS), INEM, PSP, Proteção Civil, Bombeiros, Autoridade Nacional da Aviação Civil e Forças Armadas, remetendo todos os esclarecimentos para o final da operação e para uma conferência de imprensa entretanto anunciada para a tarde deste domingo — em hora e local ainda por determinar.

Também junto do Governo a ordem é para reserva total de informação, com os contactos feitos pelo Observador na tentativa de perceber o plano para a receção dos portugueses vindos de Wuhan a esbarrarem sempre no silêncio. As informações só serão libertadas mais tarde, mas sem previsão de hora, sendo provável que isso aconteça só depois do C-130 aterrar em Lisboa.

O Observador conseguiu ainda assim apurar que, apesar de o regresso através de Beja e no A380 da Hi Fly que descolou do aeroporto alentejano na passada quinta-feira, rumo à China, ainda ter sido equacionado, as autoridades acabaram por decidir terminar a operação de repatriamento dos 17 portugueses em Lisboa, em Figo Maduro.

O C-130, que saiu esta manhã do Montijo para os transportar, é esperado ao final da tarde e na base militar não há medidas extraordinárias de segurança previstas para essa receção: o controlo de passageiros deverá ser feito como habitualmente, pelos militares de serviço, não estando prevista também qualquer escolta para a aeronave ou perímetro de segurança extraordinária para o recinto. Ainda assim, ressalvaram ao Observador várias fontes, dado o dinamismo da operação, que tem levado à alteração frequente de planos, todas as instituições estão preparadas para agir de forma diferente, se for caso disso.

Do Hospital Pulido Valente à quarentena voluntária

Uma vez no Hospital Pulido Valente, e independentemente dos resultados dos novos exames médicos, a Direção-Geral de Saúde vai propor aos 17 portugueses uma quarentena voluntária de 14 dias, o período estimado de incubação da doença até ao aparecimento dos primeiros sintomas. Ao telefone a partir de Marselha, Miguel Matos, um dos portugueses agora de regresso, garantiu já que vai aceitar a sugestão. Mais: que a maior parte dos seus companheiros de viagem decidiu fazer o mesmo. “Vou ficar em quarentena. Penso que alguns dos meus colegas vão tomar essa decisão, mas só posso falar por mim. Tomei essa decisão desde que soube desta alternativa”, disse o treinador de futebol, natural de Guimarães, ao Observador. “Tomei esta decisão porque acho que é a melhor opção para mim, para a minha família e para toda a gente. Estou bem, estou bem de saúde, mas não me custa nada fazer a quarentena para tranquilizar as pessoas.”

Esse isolamento poderá ser feito num de dois hospitais preparados para o efeito e que são, justamente, o Pulido Valente, em Lisboa, e o Hospital Militar, no Porto. “Estes concidadãos vêm do epicentro de uma epidemia e podem manifestar vontade de ficar mais uns dias em isolamento profilático, porque todos têm família e podem ter receio. E é por isso que o Ministério da Saúde providenciou instalações tranquilas e confortáveis para que possam estar em não-internamento”, já tinha adiantado há dias a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas.

Se no decorrer dos testes efetuados este domingo os clínicos identificarem algum caso suspeito de infeção por coronavírus, o cenário será outro. Aí, o paciente em questão será encaminhado imediatamente para um outro hospital da capital, o Curry Cabral, eleito pela DGS como um dos hospitais de referência para um potencial surto do vírus em Portugal (os outros são o Dona Estefânia, também em Lisboa e com capacidade para receber apenas crianças, e o São João, no Porto, que está preparado para receber pacientes de todas as idades).

Uma vez no Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital de Curry Cabral, que o Observador visitou esta semana, e  caso se confirmem as suspeitas, o paciente será isolado num dos 14 quartos de pressão negativa ali existentes, os únicos capazes de confinar no seu interior quaisquer vírus ou poluentes existentes. Pelo menos metade deles já estão, aliás, reservados para alojar potenciais doentes, vindos da China ou infetados com o vírus que vem de lá. “Se configura três ou quatro critérios de suspeição, é isolado como se se tratasse de um caso“, explicou na altura o médico e diretor do serviço, Fernando Maltez.

Que critérios são esses? Não basta ter febre ou tosse ou dificuldade respiratória em separado; é necessário reunir esses três critérios clínicos, sem que os médicos consigam identificar uma outra causa que os justifique, a um epidemiológico: ter estado numa área onde estão outros casos confirmados — sendo que este último já se sabe que todos os 17 portugueses resgatados de Wuhan cumprirão.