No rescaldo do Super Bowl, a final do campeonato de futebol americano que leva uma parte muito generosa dos norte-americanos ao delírio, a Ford difundiu um comunicado de imprensa em que o tema principal não é um novo carro, um motor mais potente, menos poluente ou mais económico. O objectivo é chamar a atenção para o ralo que o fabricante aplicou no fundo da frunk, a mala da frente do Mustang Mach-E.

Antes de mais, importa recordar que o Mustang Mach-E é das propostas mais prometedoras do mercado, entre os veículos eléctricos. Assume-se como SUV, mas menos volumoso do que o habitual, e propõe vários níveis de potência, podendo atingir 465 cv na versão GT Performance. A isto junta duas capacidades de bateria, uma para as versões mais acessíveis, com 75,7 kWh, e outra maior (98,8 kWh), de modo a prever uma autonomia máxima de 483 km, em EPA, o que deverá equivaler a um valor de até 600 km segundo o método europeu WLTP.

Mas desta vez, a Ford não se concentrou em promover o potencial tecnológico do seu veículo eléctrico, o primeiro que fabrica e que certamente ainda permanece uma incógnita junto dos potenciais clientes. Preferiu, sim, dar destaque a uma “habilidade” que o Mustang Mach-E é capaz de realizar. A frunk, com uma capacidade de 100 litros, é toda a forrada a plástico, como seria de esperar, mas ao contrário das restantes soluções no mercado, está equipada com um ralo no fundo, como se fosse uma geleira. Daí que neste último press release, a Ford tenha realçado o potencial da frunk para carregar a comida (e certamente as bebidas) para animar os churrascos com a família e os amigos.

7 fotos

Para demonstrar o que a frunk pode transportar, a Ford carregou-a com gelo e camarões, num caso, e com asas de frango, tipo KFC, no outro. E é bom que o condutor tenha uma família numerosa ou muitos amigos, pois a frunk pode acolher até 1000 hot wings, segundo o comunicado.

Resta esperar que o plástico tenha características alimentares, o que não é habitual na indústria automóvel, e que se possa limpar com detergentes sem se degradar. Por vezes, essa é a única forma de retirar o cheiro que os restos de camarão deixam na geleira. Isto para não falar de como manter as asinhas quentes ou como impedir que os camarões e o gelo derretido saiam da frunk nas curvas, travagens ou saltos provocados pelo mau piso, dado não possuir uma tampa hermética.

Felizmente para os fãs dos veículos eléctricos, o Mach-E tem muitos mais motivos de interesse do que a frunk com um ralo. E como a Ford necessita de reduzir as emissões da sua gama europeia, tudo indica que quando o modelo estiver disponível, na segunda metade de 2020, a maioria das unidades disponíveis será destinada a clientes europeus, o que é uma boa notícia. E se por cá não há Super Bowl, há sempre os jogos entre Benfica, Porto e Sporting como pretexto para grandes “festarolas”.