O Metropolitano de Lisboa celebrou este sábado o contrato para instalar um novo sistema de sinalização ferroviária e adquirir 14 novas “unidades triplas” (42 carruagens) ao Agrupamento Stadler Rail Valencia/Siemens, por 114,5 milhões de euros, divulgou o Metro.

O fornecimento das novas carruagens terá entregas faseadas. O plano de trabalhos da proposta prevê que a primeira unidade tripla (três carruagens) seja entregue no segundo semestre de 2022 e que a última fique disponível em final de 2023.

Segundo uma nota da empresa, a assinatura do contrato de aquisição de material circulante e de sistema de controlo automático dos comboios para a rede do Metropolitano de Lisboa (ML) resulta do concurso público internacional, lançado em setembro de 2018, e da adjudicação ocorrida em 24 de janeiro último.

O prazo global do contrato é de 77 meses, contados após visto prévio do Tribunal de Contas, adianta o Mero.

“A aquisição de 14 novas unidades triplas (42 carruagens) vai melhorar a oferta de comboios e serviços do ML, permitindo mais conforto e acessibilidade para os clientes, bem como um sistema de comunicação com os clientes que vai permitir informação variável e flexível e sistemas de segurança e vídeo vigilância mais modernos”, refere a empresa.

De acordo com o Metropolitano, a aposta nos novos sistemas Communications-Based Train Control (CBTC) – substituindo um sistema da década de 70 e “já obsoleto” – vai permitir um controlo contínuo do movimento dos comboios e um aumento da frequência e da regularidade do serviço público de transporte prestado pelo Metropolitano de Lisboa.

Garantirá também de um modo “mais eficaz, a oferta de comboios, em número e frequências mais adaptados às necessidades do serviço público e com segurança acrescida”.

Além de as 14 novas unidades triplas estarem equipadas com o CBTC, o contrato para modernização da sinalização ferroviária do ML, engloba a instalação do sistema em 70 comboios já existentes.

Contempla ainda a implementação de funcionalidades de proteção Automatic Train Protection (ATP) e de supervisão Automatic Train Supervision (ATS) em toda a extensão das linhas Azul, Amarela e Verde, bem como a manutenção preventiva e corretiva de todos os equipamentos pelo prazo de três anos após a receção provisória, incluindo toda a mão-de-obra, peças sobressalentes e consumíveis.

O contrato prevê igualmente o fornecimento de stock após o período de manutenção previsto, constituído pelas peças sobressalentes e consumíveis necessárias à manutenção por um período de dois anos e a formação técnica para operação e manutenção, parametrização, configuração ou regulação dos sistemas e equipamentos, por parte do ML, além do fornecimento das peças rotáveis, ferramentas e equipamentos de teste.

O ML diz que as carruagens terão “janelas amplas, painéis de portas e áreas de intercirculação com elevado espaço livre que possibilitarão que as entradas e saídas se efetuem de forma expedita”.

Revela ainda que o salão de passageiros também estará concebido para maximizar o espaço disponível, cumprindo, ao mesmo tempo, os requisitos dos lugares sentados, cuja distribuição será feita com base numa disposição longitudinal.