O Estado de Cabo Verde aprova a concessão para o aldeamento turístico do Tarrafal. A autorização para os produtores holandeses privados estipula o pagamento anual de 11.600 euros, que reverterá para o Fundo Autónomo de Desenvolvimento e Segurança do Transporte Interilhas (com o objetivo de melhorar a qualidade da frota marítima) e o contrato de concessão do projeto “Aldeamento Turístico – Vista Atlântico”.

De acordo com o contrato de concessão, que autoriza a Direção Geral do Património e da Contratação Pública a concretizar o negócio, a instalação deste aldeamento turístico será feita em terrenos da orla marítima em Mau Passo, Chão Bom, próximo da antiga Colónia Penal do Tarrafal. Ainda assim, o projeto está enquadrado na “política do governo de atração de mais investimento, quer interno quer externo, sobretudo nos projetos com foco no setor do turismo”.

De modo a criar um leque diversificado de oferta de produtos e serviços, proporcionando deste modo o aumento do fluxo de pessoas que procuram o nosso país como destino para férias ou outras finalidades”, lê-se no documento.

O Governo cabo-verdiano prevê que as receitas do turismo renovem máximos históricos em 2020, chegando aos 430 milhões de euros, o equivalente a quase 23% de toda a riqueza produzida no país. As previsões constam dos documentos de suporte da lei do Orçamento do Estado para 2020, colocando o turismo, como já acontece há vários anos, a principal fonte de riqueza do país.

Em 2018, Cabo Verde contou com mais de 750 mil turistas, por isso, a meta do governo é que em 2021 se consiga ultrapassar a fasquia de 1 milhão. Para 2020, estimam que as receitas turísticas cresçam 10,6% face a 2019, aumentando a receita do Produto Interno Bruto (PIB), de 21,9% (2019) para 22,7% (2020.)

A procura turística por Cabo Verde, segundo a previsão do governo, deverá aumentar 6% este ano, liderada pelos turistas de Portugal e do Reino Unido, mas também de França e da Alemanha.