A taxa de inflação homóloga foi de 0,8% em janeiro, superior em 0,4 pontos percentuais à registada em dezembro de 2019. Já as rendas das casas por metro quadrado aumentaram 3,4%, confirmou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Com arredondamento a uma casa decimal, esta taxa coincide com o valor da estimativa rápida divulgada em 31 de janeiro”, refere o INE.

A inflação subjacente (que exclui produtos alimentares não transformados e energéticos) registou em janeiro uma variação homóloga de 0,4%, valor idêntico ao registado em dezembro de 2019.

A variação mensal do IPC foi de -0,8% (-0,1% no mês precedente e -1,2% em janeiro de 2019) e a variação média dos últimos 12 meses foi 0,4%, valor superior em 0,1 pontos percentuais ao registado no mês anterior.

Já o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de 0,8%, taxa superior em 0,4 pontos percentuais à do mês anterior e inferior em 0,6 pontos percentuais à estimativa do Eurostat para a área do Euro (em dezembro de 2019, esta diferença foi de 0,9 pontos percentuais).

Segundo o INE, o IHPC registou uma variação mensal de -0,8% (-0,3% no mês anterior e -1,3% em janeiro de 2019) e uma variação média dos últimos 12 meses de 0,3% (valor idêntico ao registado no mês precedente).

Na sua análise à variação homóloga do IPC em janeiro, o instituto nota que o agregado relativo aos produtos alimentares não transformados registou uma subida homóloga de 1,9% (1,2% em dezembro), enquanto o índice referente aos produtos energéticos apresentou uma taxa de variação de 3,2% (nula no mês anterior).

Por classes de despesa e face ao mês precedente, destaca os aumentos da taxa de variação homóloga das classes dos “transportes”, da “habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis” e das “bebidas alcoólicas e tabaco”, com variações de 3,0%, 1,1% e 2,0%, respetivamente (1,8%, 0,0% e 0,9% no mês anterior).

Em sentido oposto, assinala a redução da taxa de variação homóloga da classe do “lazer, recreação e cultura”, com uma variação de -1,3% (0,7% em dezembro).

Nas classes com contribuições positivas para a variação homóloga do IPC, o INE salienta a dos “transportes”, enquanto nas classes com contribuições negativas destaca a das “comunicações”, do “vestuário e calçado” e do “lazer, recreação e cultura”.

Comparando com o mês precedente, o INE aponta os aumentos das contribuições para a variação homóloga do IPC da classe dos “transportes”, dos “bens alimentares e bebidas não alcoólicas” e da “habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis”. Em sentido contrário, destaca a classe do “lazer, recreação e cultura”.

Rendas das casas aumentam 3,4% em janeiro em termos homólogos

Segundo o INE, as rendas das casas por metro quadrado aumentaram 3,4% em janeiro face ao mesmo mês de 2019, taxa idêntica à do mês anterior, destacando-se a região de Lisboa com o crescimento mais intenso.

Em janeiro “todas as regiões apresentaram variações homólogas positivas das rendas de habitação, tendo Lisboa registado o aumento mais intenso (4,1%)”, anunciou o INE.

Quanto ao valor médio das rendas de habitação, registou uma subida mensal de 0,3%, um valor superior em 0,1 pontos percentuais ao registado no mês anterior.

A região com o aumento mensal mais elevado neste indicador foi a Madeira, com uma taxa de 1,0%, e a única região que registou uma variação mensal negativa foi a dos Açores, com uma taxa de -0,2%.