Itália pode não ser o país em que os veículos eléctricos alimentados por bateria são mais populares, mas depois de Janeiro, em que as vendas deste tipo de modelos aumentaram 587%, face ao mesmo período de 2019, bem que se pode dizer que deram um significativo passo nesse sentido. Depois de comercializar apenas 283 eléctricos em Janeiro do ano transacto, os italianos adquiriram 1943 veículos que armazenam a energia de que necessitam na bateria.

Num mercado que globalmente consumiu cerca de 156.000 unidades novas no primeiro mês do ano, registando uma quebra de 5,8%, os condutores locais adquiriram 1341 híbridos plug-in (PHEV), um valor bem mais expressivo do que os 355 de há um ano atrás. Em matéria de share, os PHEV representaram 0,9% do total das vendas, ligeiramente menos do que os 100% eléctricos, que atingiram 1,2%.

O veículo eléctrico mais vendido foi o Renault Zoe, com 411 unidades, à frente do Peugeot e-208 (318), Volkswagen e-up! (215), Smart Fortwo (213), Hyundai Kauai EV (149), Volkswagen e-Golf (112), DS3 Crossback E-Tense (79), Nissan Leaf (66) e Tesla Model 3 (63). Se o mercado parece ter premiado o factor novidade, os maus resultados do Leaf e, sobretudo, do Model 3 causam alguma surpresa.

Enquanto isto, na Alemanha, o maior mercado europeu, os condutores locais compraram 7492 eléctricos a bateria e 8639 PHEV. Valores que colocam os carros a bateria a representar 3,04% do mercado, enquanto os PHEV ascendem a 3,51%. No que respeita ao crescimento, os eléctricos viram a procura aumentar 61%, enquanto os PHEV atingiram um incremento de 308%.

A explicação para esta primazia dos PHEV pode ser encontrada na fraca oferta de veículos exclusivamente a bateria por parte dos construtores alemães, sendo que a Volkswagen poderá inverter essa tendência, mas apenas na segunda metade do ano. Por outro lado, o crescimento anormalmente elevado dos PHEV reflecte a enorme aposta que esses mesmos fabricantes e, sobretudo, a BMW e a Mercedes, estão a realizar nesse tipo de alternativa, como solução de recurso para respeitar os limites de CO2 impostos por Bruxelas.

O eléctrico mais vendido na Alemanha foi o Renault Zoe, com 1798 unidades, seguido pelo Volkswagen e-Golf (1120), Audi e-tron (572), BMW i3 (552), Skoda Citigoe iV (437), Volkswagen e-up! (425) e Tesla Model 3 (257). Entre os PHEV, a liderança pertenceu ao Mitsubishi Outlander (868), à frente do Mercedes Classe E (726) e Volkswagen Passat GTE (698).