O Sp. Braga revalidou este domingo o título de campeão mundial de futebol de praia no Mundialito de Clubes que se realizou em Moscovo, vencendo na final os russos do Spartak por 8-3.

Jordan, o melhor do mundo que foi também um dos principais protagonistas na conquista do Campeonato do Mundo por Portugal no ano passado, inaugurou o marcador logo no minuto inicial do encontro, tendo Rafael Padilla e Bruno Xavier aumentado a vantagem ainda antes do final do primeiro período (7′ e 12′).

A partida entrou depois num outro ritmo, com o Spartak a tentar reagir à entrada em falso na partida (nada a ver com o que se tinha passado na fase de grupos). Ainda assim, Bê Martins, com um chapéu fantástico, fez ainda o 4-0 (18′) antes de Ahmadzadeh reduzir no segundo período (21′). Ficava tudo aberto para o último período, que voltou a começar da melhor forma para os arsenalistas com um golo de André Lourenço a abrir (25′). Zemskov, já depois da expulsão por acumulação de Bruno Xavier, reduziu (29′) mas Bê Martins voltou a colocar a diferença nos quatro golos num remate entre as pernas do guarda-redes contrário (30′). O jogo entrou então numa fase de parada e resposta nos golos até ao final, marcados por Pavlenko (30′), Filipe Silva (31′) e Jordan Santos (35′).

De recordar que, na fase de grupos, o Sp. Braga começou por derrotar num dos grandes jogos da competição os brasileiros do Flamengo por 6-4, seguindo-se uma goleada com os suíços do Grasshoper (8-3) e uma derrota com o Spartak (6-4). Na meia-final, os minhotos tinham derrotado os japoneses do Tokyo Verdy por 7-2.

Desta forma, o Sp. Braga soma o segundo título no Mundialito de Clubes, depois da primeira conquista no ano passado também em Moscovo contra os italianos do Catania (7-6). Em paralelo, o campeão português passa a ser a formação com mais troféus na prova a par do Lokomotiv, que ganhou em 2012 e 2017. Vasco da Gama (2011), Corinthians (2013) e Barcelona (2015) são as outras equipas que já ganharam o Mundialito de Clubes.