O primeiro-ministro manifestou esta segunda-feira “total solidariedade” com o “grande cidadão” e jogador do FC Porto Marega, que no domingo foi vítima de insultos racistas, e salientou que todos os atos de racismo são crime e intoleráveis.

“Todos e quaisquer atos de racismo são crime e intoleráveis. Nenhum ser humano deve ser sujeito a esta humilhação. Ninguém pode ficar indiferente. Condeno todos e quaisquer atos de racismo, em quaisquer circunstâncias”, escreveu António Costa na sua conta pessoal na rede social Twitter. Em relação ao avançado maliano do FC Porto, o primeiro-ministro manifestou-lhe “total solidariedade”, considerando que Marega provou no campo de jogo “ser não só um grande jogador, mas também um grande cidadão”.

Também o presidente da Assembleia da República condenou esta segunda-feira “com indignação” os insultos racistas ao jogador e exigiu medidas de prevenção e de repressão contra criminosos nos estádios. Esta posição de Ferro Rodrigues foi transmitida numa nota da Assembleia da República enviada à agência Lusa.

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, condena com indignação os ataques racistas de que foi vítima ontem [domingo] em Guimarães o jogador do Futebol Clube do Porto Marega. As autoridades do Estado, a Federação Portuguesa de Futebol e os clubes têm de, em conjunto, tomar medidas de prevenção e repressão dos criminosos que se introduzem nas claques e nos estádios”, salienta-se na nota.

O comentário de Ferro Rodrigues surgiu depois de Marcelo Rebelo de Sousa criticar duramente os insultos de que o jogador foi alvo. O Presidente da República sublinhou “que o caminho do racismo, da xenofobia, e da discriminação, além de representar a violação da dignidade da pessoa humana (…) é um caminho dramático em termos de cultura”.

O avançado Marega pediu para ser substituído, ao minuto 71 do jogo da 21.ª jornada da I Liga, entre o FC Porto e o Vitória de Guimarães, por ter ouvido cânticos e gritos racistas de adeptos da formação vimaranense, numa altura em que os “dragões” venciam por 2-1, resultado com que terminaria o encontro. Jogadores do FC Porto e também do Vitória de Guimarães tentaram demovê-lo, mas Marega mostrou-se irredutível na decisão de abandonar o jogo.