Ao todo, os negócios de Isabel dos Santos em Portugal já renderam à filha do antigo presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, cerca de 494 milhões de euros. As contas foram feitas pelo jornal Público e pelo Jornal de Negócios. O Público refere que os dividendos totais encaixados pela empresária nos negócios da Galp Energia foram de 239 milhões de euros e os dividendos com a Zon/Nos foram de 189 milhões. A estes valores, somam-se os 66 milhões de dividendos e mais-valias conseguidos por Isabel dos Santos em negócios do BPI — este último, um valor calculado pelo Negócios.

Se em Angola as contas bancárias e as participações sociais em empresas de Isabel dos Santos foram arrestadas por decisão judicial — é suspeita de ter sido favorecida em negócios que lesaram o Estado angolano em mais de mil milhões de euros —, em Portugal “as autoridades apenas congelaram as contas bancárias de Isabel dos Santos”, lembra o Público.

Assim, sem o arresto das participações sociais de Isabel dos Santos em empresas nacionais, podem ainda concretizar-se negócios “como a venda dos 42,5% que a empresária detém no Eurobic”, faltando perceber como é que a filha de José Eduardo dos Santos, com as contas bancárias congeladas, “tenciona arrecadar o valor equivalente à sua participação, partindo do princípio que terá dinheiro a receber”.

Por outro lado, no sábado o Expresso noticiava que treze bancos portugueses terão concedido 570 milhões de euros em créditos a Isabel dos Santos e às suas empresas. Para “evitar surpresas” o Banco de Portugal pediu a cada banco que fizesse uma atualização desses valores.