O filme “Variações”, de João Maia, sobre o músico António Variações, lidera os prémios do cinema português Sophia, com 17 nomeações, revelou esta terça-feira a Academia Portuguesa de Cinema.

“Variações”, o filme português mais visto em 2019, com quase 280 mil espectadores, está indicado para os Sophia de, entre outros, melhor filme, realização, argumento original, fotografia e elenco principal, encabeçado por Sérgio Praia no papel de António Variações.

Com 15 nomeações surge “A Herdade”, de Tiago Guedes, seguindo-se “Vitalina Varela”, de Pedro Costa, e “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, com seis nomeações cada, e “Snu”, de Patrícia Sequeira, com cinco.

Os Prémios Sophia são uma iniciativa da Academia Portuguesa de Cinema e repartem-se em 23 categorias.

Para o Sophia de melhor filme estão indicados “Variações”, “A Herdade”, “Diamantino” e “Vitalina Varela”, estando os respetivos cineastas nomeados para melhor realização.

Na representação em papéis principais estão nomeados Albano Jerónimo (“A Herdade”), Carloto Cotta (“Diamantino”), Igor Regalla (“Gabriel”), Sérgio Praia (“Variações”), Inês Castel-Branco (“Snu”), Margarida Vila-Nova (“Hotel Império”), Sandra Faleiro (“A Herdade”) e Vitalina Varela (“Vitalina Varela”).

Para melhor documentário concorrem “Até que o porno nos separe”, de Jorge Pelicano, “Chuva é cantoria na aldeia dos mortos”, de Renée Nasser Medora e João Salaviza, “Lupo”, de Pedro Lino, e “Terra Franca”, de Leonor Teles.

O Sophia de melhor série ou telefilme será disputado entre “Luz Vermelha”, de André Santos e Marco Leão, “O Nosso Cônsul em Havana”, de Francisco Manso, “Sul”, de Ivo M. Ferreira, e “Teorias da Conspiração”, de Manuel Pureza, todas exibidas na RTP.

“A Fábrica”, de Diogo Barbosa, “A Herança”, de Paulo A. M. Oliveira, “Arriaga”, de Welket Bungué, e “Invisível Herói”, de Cristèle Alves Meira, estão nomeados para melhor curta-metragem de ficção.

Na categoria de curta documental foram selecionados “Estas Mãos São Minhas”, de André Miguel Ferreira, “Kalani – Gift from Heaven”, de Nuno Dias, “Lá Fora as Laranjas Estão a Nascer”, de Nevena Desivojevic, e “Raposa”, de Leonor Noivo.

Para o Sophia de melhor curta de animação estão indicados “Assim Mas Sem Ser Assim”, de Pedro Brito, “Equinox”, de Bruno Carnide, “Maré”, de Joana Rosa Bragança, e “Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias”, de Regina Pessoa.

Destaque ainda para a nomeação, a título póstumo, do músico e compositor José Mário Branco, para o Sophia de melhor banda sonora original pela música para o filme “A Portuguesa”, de Rita Azevedo Gomes.

Nesta categoria estão também nomeados Armando Teixeira (“Variações”), Manuel Cruz (“Tristeza e Alegria na Vida das Girafas”) e The Legendary Tigerman (“Caminhos Magnétykos”).

A música “Coro Menor”, de José Mário Branco, para um poema de Charles D’Orléans, interpretada por Ingrid Caven para aquele filme de Rita Azevedo Gomes, também está nomeada para os Sophia na categoria de melhor canção.

Este ano, o prémio de carreira será entregue aos realizadores Alfredo Tropa, António-Pedro Vasconcelos e Fernando Matos Silva.

Esta terça-feira, na revelação dos nomeados dos Sophia, a Academia Portuguesa de Cinema anunciou já outros três prémios ligados ao cinema: O livro “Leitão de Barros: A Biografia Roubada”, de Joana Leitão Barros e Ana Mantero, venceu o prémio Arte & Técnica, Pedro Ribeiro venceu o prémio de melhor ‘trailer’ para o filme “Variações”, e Catarina Sampaio, o de melhor cartaz para o filme “A Herdade”.

A cerimónia dos prémios Sophia decorrerá no dia 22 de março no Casino do Estoril, Cascais.

Confira a lista de nomeados para algumas das categorias principais dos prémios:

MELHOR FILME
“A Herdade”
“Diamantino”
“Variações”
“Vitalina Varela”

MELHOR REALIZADOR
Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, “Diamantino”
João Maia, “Variações”
Pedro Costa, “Vitalina Varela”
Tiago Guedes, “A Herdade”

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM LONGA-METRAGEM
“Até que o Porno Nos Separe”
“Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos”
“Lupo”
“Terra Franca”

MELHOR SÉRIE/TELEFILME
“Luz Vermelha”
“O Nosso Cônsul em Havana”
“SUL”
“Teorias da Conspiração”

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL
Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, “Diamantino”
João Maia, “Variações”
Pedro Costa e Vitalina Varela, “Vitalina Varela”
Rui Cardoso Martins e Tiago Guedes, “A Herdade”

MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO
Agustina Bessa-Luís e Rita Azevedo Gomes, “A Portuguesa”, adaptado da obra “Die Portugiesin” de Robert Musil
José Fanha, “Os Dois Irmãos”, adaptado da obra homónima de Germano Almeida
Hugo Diogo, “Imagens Proibidas”, adaptado da obra homónima de Pedro Paixão
Tiago Rodrigues e Tiago Guedes, “Tristeza e Alegria na Vida das Girafas”, inspirado na peça de teatro homónima de Tiago Rodrigues

MELHOR ATOR PRINCIPAL
Albano Jerónimo, “A Herdade”
Carloto Cotta, “Diamantino”
Igor Regalla, “Gabriel”
Sérgio Praia, “Variações”

MELHOR ATRIZ PRINCIPAL
Inês Castel-Branco, “Snu”
Margarida Vila-Nova, “Hotel Império”
Sandra Faleiro, “A Herdade”
Vitalina Varela, “Vitalina Varela”

MELHOR ATOR SECUNDÁRIO
Augusto Madeira, “Variações”
Filipe Duarte, “Variações”
João Pedro Mamede, “A Herdade”
Miguel Borges, “A Herdade”

MELHOR ATRIZ SECUNDÁRIA
Ana Vilela da Costa, “A Herdade”
Anabela Moreira, “Diamantino”
Teresa Madruga, “Variações”
Victoria Guerra, “Variações”