A GNR de Matosinhos vai ter de sair da Quinta da Conceição, onde está a funcionar provisoriamente há 30 anos, enquanto aguarda a construção de um novo quartel, por “perigo de ruína”, anunciou esta quarta-feira a presidente da câmara local.

Durante a reunião pública do executivo municipal, do distrito do Porto, Luísa Salgueiro revelou ter recebido um auto de vistoria que a Proteção Civil realizou à Quinta da Conceição que concluiu haver “perigo de ruína”, tendo esta força policial de sair daquele local. “A mudança tem de ser imediata, porque os militares não podem lá continuar naquelas condições. É uma questão urgente”, vincou.

A socialista assumiu ter reunido esta quarta-feira mesmo com o comandante da GNR para estudar uma solução alternativa e fazer, “o mais breve possível”, a transferência.

Para a construção do novo quartel, a autarca garantiu ter proposto ao Ministério da Administração Interna (MAI) construir o edifício em terrenos municipais, nomeadamente num antigo horto em Freixieiro, em troca do edifício da antiga guarda fiscal. “É um edifício que está devoluto, mas que é muito bonito e com o qual gostaríamos de ficar”, assumiu.

Este pedido de permuta foi aceite pelo MAI, mas o Ministério das Finanças ainda não se pronunciou, ressalvou.

Quanto ao Palacete da Quinta da Conceição, imóvel do século XIX construído no local na sequência da extinção do Convento Franciscano de Nossa Senhora da Conceição, a presidente garantiu que irá “ouvir Matosinhos” para saber o que é que a população gostaria que fosse o seu futuro.

“As obras tem de ser de grande monta porque o edifício está mesmo muito mau, mas será a população a decidir qual o seu futuro”, sublinhou.