No passado fim de semana e nos dias que se seguiram, um dos comentários mais ouvido e repetido quanto à saída de campo de Moussa Marega, depois de ouvir insultos racistas vindos da bancada do Estádio D. Afonso Henriques durante o jogo entre o V. Guimarães e o FC Porto, foi o de que este tipo de episódios era frequente no futebol de formação. Nas camadas jovens, nos infantis, nos iniciados, nos juvenis e nos juniores, onde o exemplo deve ser dado e as fundações dos jogadores devem ser consolidadas para se tornarem profissionais.

Este fim de semana, esse cenário acabou por ser confirmado da pior maneira. Pete Carvalho Djob, jogador dos juniores do Leça do Balio, pediu para sair durante a primeira parte do jogo contra o Pedras Rubras, da Segunda Divisão de Juniores da Associação de Futebol do Porto, alegando ter ouvido insultos racistas vindos das bancadas. Em declarações ao Jornal de Notícias, o jovem jogador de 18 anos, garantiu estar “cansado” deste tipo de situações. “Mal consigo falar. Não aguento mais este tipo de situações. Chegou a um ponto que é insuportável”, acrescentou Pete Carvalho Djob.

A direção do DLB irá acionar todos os meios disponíveis para combater estes comportamentos que se estão a propagar pelo desporto nacional.Uma vergonha para o desporto.Estamos contigo Pate!

Posted by Desportivo de Leça do Balio on Saturday, February 22, 2020

Já Flávio Silva, treinador do Leça do Balio, garantiu em declarações ao jornal O Jogo que a situação é “recorrente” e que esta não foi a primeira vez que Pete Carvalho Djob abandona o relvado por este motivo. “O Pete foi insultado por um adversário que lhe chamou ‘preto’ e ‘macaco’ e pediu para sair ainda na primeira parte. Ele não tinha condições para continuar em campo. Já tínhamos gravado um jogo onde se ouvem esses insultos num outro jogo, vindos da bancada. Chamam o Pete de ‘preto’ e ‘macaco’. Fizemos uma exposição à Associação de Futebol do Porto a relatar o que tem acontecido e foi aberto um inquérito. O Pete já tinha pedido para sair num jogo na Macieira da Maia. Isto não tem nada a ver com o Marega”, disse o técnico.

No Facebook, o Desportivo de Leça do Balio garantiu que vai “acionar todos os meios disponíveis para combater estes comportamentos que se estão a propagar pelo desporto nacional”, acrescentando que são “uma vergonha para o desporto”. O presidente do Pedras Rubras, Alfredo Santos, disse ao Jornal de Notícias que “repudia qualquer ato racista” e que não terá “qualquer problema” em expulsar um jogador do clube se “se confirmar” que foi um atleta a proferir os insultos racistas.