Vão ganhando cada vez mais consistência os rumores de que a Volkswagen pretende aventurar-se nos jipes puros e duros, disputando os clientes que apreciam este tipo de modelos e cuja escolha recai em propostas como o Land Rover Defender ou o Jeep Wrangler. Isto porque essa informação remonta ao final de 2018, tendo na altura partido da revista alemã Auto Bild, que agora fez uma nova reportagem sobre o modelo, a que a britânica Autocar acrescentou novos dados.

De acordo com a publicação inglesa, ao invés de se chamar T-Rug, como originalmente avançado, o SUV “durão” da Volkswagen é internamente conhecido como Ruggdzz – uma “criativa” derivação a partir da palavra rugged, que em inglês significa “robusto”. Contudo, mais surpreendente do que a denominação apontada, é a fórmula como a Volkswagen quer discutir os pergaminhos da Land Rover e da Jeep no off-road: com uma mecânica 100% eléctrica. Uma opção que ainda não foi assumida por nenhum dos citados rivais.

Em conversa com o Observador, o engenheiro-chefe da Jaguar Land Rover, Mike Cross, não se mostrou minimamente convencido com o potencial de um Defender a bateria: “Já imaginou o que seria levar um Defender a bateria para o meio de uma floresta tropical, de um deserto ou de uma estepe siberiana, e depois? Carregava-o onde?”

Já do lado da Jeep, a probabilidade de o Wrangler vir a oferecer uma variante exclusivamente eléctrica é maior, considerando que o CEO da marca norte-americana defende publicamente que a electrificação permite reforçar as credenciais no fora de estrada. Mas, para já, só foi confirmada uma variante híbrida plug-in do icónico todo-o-terreno.

Independentemente da estratégia da concorrência, a Volkswagen estará apostada em alargar o número de elementos assentes na plataforma MEB. De acordo com a Autocar, o novo membro da família ID vai ser lançado em 2023, como parte da ofensiva da marca que pretende ter 30 SUV em 2025.

Tal como acontece com os seus adversários (a combustão), oferecerá duas carroçarias, apresentando-se com duas ou quatro portas e, como tal, com um comprimento entre os 4,50 e os 4,85 metros, com a Autocar a precisar que o comprimento será de 4,6 metros na versão com a distância entre eixos standard. Um motor eléctrico por eixo assegurará a devida tracção integral, tal como no ID.4, tendo a Autobild avançado uma autonomia na ordem dos 500 km – o que leva a crer que o Ruggdzz vai montar a bateria “grande” do ID.3, nomeadamente o acumulador com 77 kWh de capacidade.

A estética, segundo fontes conhecedoras do projecto, destaca-se por linhas mais “quadradonas”, para enfatizar a ideia de robustez a toda a prova. Na frente, o destaque irá para uma grelha pronunciada a incorporar grupos ópticos de formato rectangular, capot plano e para-brisas muito vertical.