A trajetória foi tirada a papel químico, o reencontro tinha as suas diferenças de impressão. À semelhança do que tinha acontecido na última época, Sporting e Dínamo de Bucareste encontravam-se no playoff de apuramento para os oitavos da Liga dos Campeões, com os leões a terminarem em segundo lugar no seu grupo e os romenos a terminarem na primeira posição na outra poule. Até aqui, tudo igual; a partir daqui, muito diferente.

Tal como no ano passado, a formação verde e branca comandada pelo francês Thierry Anti disputava o primeiro encontro no Pavilhão João Rocha, sem muitas alterações em relação à época 2018/19 (à exceção do técnico, por exemplo). No entanto, o Dínamo de Bucareste surgiu de forma bem diferente, com opções reforçadas sobretudo em termos de estatura e peso no setor defensivo que colocaram outras dificuldades aos leões. E foi isso que acabou por justificar o triunfo em Lisboa, para gáudio dos cerca de 200 adeptos visitantes presentes: apesar da recuperação verde e branca na segunda parte, após ter saído a perder ao intervalo por quatro golos (13-9), o Sporting perdeu por um (26-25) e terá uma missão mais complicada no próximo domingo, na Roménia.

O ponta romeno Ghionea foi o melhor marcador do Sporting com oito golos (em 12 tentativas), seguido de outro ponta (Bingo, com quatro golos) e do trio Frankis Carol, Vujin e Luís Frade (todos com três). Entre os romenos, o lateral Ante Kuduz apontou sete golos em oito remates, seguido de perto Asoltanei (seis).

De referir que, na primeira fase, o Sporting terminou o grupo C no segundo lugar (último que dava a qualificação para este playoff) com 14 pontos, a um dos espanhóis do Bidasoa e com mais dois do que os suecos Sävehof, com seis vitórias, dois empates e duas derrotas (a nível pontos foi mesmo uma campanha igual à do ano passado), ao passo que o Dínamo ganhou o grupo D sem derrotas, com sete triunfos e três empates com formações de escolas com peso na modalidade como Polónia, Dinamarca, Suécia ou Rússia.

No outro encontro do playoff, o Wisla Plock ganhou na Polónia uma vantagem confortável de sete golos (32-25) para tentar gerir na próxima semana quando viajar até Espanha para defrontar o Bidasoa.