Utentes portugueses gastaram 669,8 milhões de euros em medicamentos comprados em farmácias entre janeiro e novembro de 2019, um aumento de 18,5 milhões de euros (2,8%) face ao período homólogo de 2018. A despesa média por utente é de 68,38 euros. A maior fatia do pagamento, no entanto, cabe ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), que gastou 2427,8 milhões de euros em 11 meses, mais 80,8 milhões de euros (3,4%) em relação a 2018, escreve o Jornal de Notícias esta segunda-feira.

Segundo os dados da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), 1.212,6 milhões de euros foram gastos pelo SNS através da comparticipação aos utentes em ambulatório, com os antidiabéticos a representarem um terço do aumento da despesa total com medicamentos. Já os restantes 1.215,2 milhões foram gastos em medicação administrada nos hospitais, superando o valor gasto nos 12 meses de 2018 (1.207 milhões de euros).

A maior despesa relativa a medicamentos usados nos hospitais diz respeito às consultas externas e a produtos cedidos ao exterior, que representam 47,1% dos gastos, seguindo-se os medicamentos usados em hospitais de dia (33,3%), no internamento (10,5%), em blocos operatórios (2,7%) e urgências (1,2%), com Lisboa e Vale do Tejo a ter a maior despesa (521,8 milhões), que diminuiu 1,1% em relação a 2018.

Segundo os dados do Infarmed, o número de embalagens dispensadas também cresceu, registando-se 151 milhões em 2019, mais 3,2 milhões de caixas (2,2%) em relação a 2018. O preço médio por embalagem seguiu a mesma tendência e subiu 2,3% comparativamente ao ano anterior, para 12,43 euros.