A taxa de ocupação dos hotéis e pensões de Macau caiu 11,4% em janeiro último, comparativamente ao mesmo mês do ano passado, foi esta sexta-feira anunciado.

De acordo com a Direção dos Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC), das 1.090.000 pessoas alojadas, 792 mil eram oriundas da China continental, 42 mil da Coreia do Sul e 31 mil de Taiwan, em quebra de 11,3%, 23% e 20,9%, respetivamente, em termos anuais. Já o número de hóspedes de Hong Kong (107 mil) aumentou 11%, indicou.

O período médio de permanência dos hóspedes foi de 1,5 noites, mais 0,1 noites, relativamente a janeiro de 2019.

No final de janeiro último existiam em Macau 122 hotéis e pensões em atividade (mais cinco em termos anuais), num total de 39 mil quartos, um número semelhante ao do mês homólogo de 2019.

Em 2019, Macau recebeu 39.406.181 milhões de visitantes, um aumento de 10,1% em relação ao ano anterior, num novo recorde para a cidade, de acordo com dados oficiais.

O visitante é uma pessoa que viajou para Macau por um período inferior a um ano, um termo que se divide em turista (que passa pelo menos uma noite) e em excursionista (que não pernoita).