Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Joe Biden venceu este sábado as primárias do Partido Democrata na Carolina do Sul, um estado decisivo para mostrar que Biden está “vivo” e preparado para enfrentar a “Super terça-feira” que está já ai à porta. Esta foi a primeira vitória do ex-vice de Obama nas primárias democratas, aproximando-o, na estimativa nacional, de Bernie Sanders, que continua à frente na corrida.

Biden venceu na Carolina do Sul com uma expressiva percentagem de 48% dos votos, sendo que o segundo classificado, Bernie Sanders, se ficou pelos 20%. Tom Steyer ficou-se pelos 11% (e anunciou a desistência da corrida) e Pete Buttigieg pelos 8%.

“Estamos verdadeiramente vivos”, declarou Biden no comício pós-eleitoral. “Para todos vocês que foram derrubados, deixados de fora e para trás – esta é a vossa campanha”, acrescentou.

Sanders reivindicou o segundo lugar e parabenizou Biden pela sua primeira vitória, sublinhando que o resultado deste sábado não era motivo de preocupação para os seus apoiantes. “Hoje à noite, não vencemos na Carolina do Sul. Essa não será a única derrota. Há muitos estados neste país. Ninguém vence todos eles”, afirmou perante uma multidão na Virgínia, um dos 14 estados que votam na próxima semana.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ativista bilionário Tom Steyer, depois de gastar milhões em anúncios televisivos na Carolina do Sul – mais do que todos os seus rivais juntos – não resistiu a um novo desaire eleitoral e anunciou a sua desistência na corrida à Casa Branca.

Sete candidatos democratas mantêm-se na luta para assegurar a nomeação democrata e defrontarem em novembro o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Segundo a CNN, a vitória de Biden na Carolina do Sul assenta no voto dos cidadãos negros, nos cidadãos com mais de 65 anos e nos mais moderados, de acordo com a análise feita aos resultados preliminares. O vice-presidente de Barack Obama conquistou uma média de 3 em 5 votantes negros, enquanto o seu adversário mais direto Bernie Sanders conseguiu apenas 1 em 5 neste grupo de votantes. Na mesma medida, cerca de 3 em 5 votantes com idade superior a 65 anos também apoiaram Biden na Carolina do Sul, com Sanders a conseguir apenas 1 em 10 votantes nesta categoria.

Foi também entre os votantes considerados “moderados” e entre os “mais liberais” que Joe Biden conseguiu maior expressão eleitoral.

O resultado da Carolina do Sul vem assim dar fôlego a Biden para enfrentar a “Super Tuesday”, dia em que, na próxima terça-feira, 14 estados norte-americanos disputam em simultâneo as primárias do Partido Democrata e elegem centenas de delegados para a Convenção democrata que de onde sairá o escolhido para defrontar Donald Trump nas presidenciais.

Embora tenha ficado em segundo lugar em Nevada, com 20% dos votos, Biden conquistou apenas o quarto e o quinto lugar em Iowa e New Hampshire, os dois primeiros estados a realizaram as primárias neste mês de fevereiro. A esperança de Biden era que, na Carolina do Sul, atingisse uma  votação mais expressiva em benefício da sua popularidade entre o eleitorado negro. Ao contrário dos outros estados, onde a população é predominantemente branca, a Carolina do Sul tem uma maior diversidade demográfica, representando melhor a realidade da população norte-americana.

O impulso da Carolina do Sul coloca Joe Biden no segundo lugar da corrida, a nível nacional. As primárias da Carolina do Sul foram o primeiro grande teste aos candidatos perante os eleitores negros. E, embora o estado tenha dado uma vitória a Biden quando este mais precisava, o ‘ex-vice’ de Barak Obama ainda tem de provar que possui os recursos financeiros e logísticos para expandir drasticamente a sua campanha nas próximas 72 horas.