O alto representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Josep Borrell, anunciou este domingo um pacote de 30 milhões de euros em ajuda humanitária ao Sudão, no final de uma visita de dois dias ao país.

“A União Europeia continua solidária com o povo necessitado do Sudão”, disse Josep Borrell, que visitou projetos apoiados pela União Europeia no Darfur do Norte.

O chefe da diplomacia europeia esteve reunido, no sábado, com os líderes civis e militares que integram o Governo de transição do país e hoje visitou a cidade de El Fasher, capital do estado do Darfur do Norte, que foi palco de um sangrento conflito interétnico entre 2003 e 2008.

Josep Borrel apontou as mudanças que estão a ocorrer no Sudão, que em abril derrubou o Presidente Al-Bashir, sendo atualmente governado por um executivo de transição até à realização de eleições.

O dirigente europeu sublinhou que a União Europeia apoia o Governo de transição sudanês “para que alcance a paz e estabilidade no Sudão e para melhorar as condições humanitárias no Darfur”.

Borrell disse ter constatado a melhoria das condições no terreno, mas assinalou a “necessidade urgente de encontrar uma solução definitiva para os deslocados internos” pelo conflito, que as Nações Unidas estimam em 2,5 milhões.

Por seu lado, o governador do Darfur do Norte afirmou que a situação de segurança é “estável” e que o norte da região deixou para trás o conflito e entrou numa “etapa de construção”.

Por isso, apelou para um reforço do apoio da UE ao Governo sudanês para que possa “enfrentar a situação dos deslocados e reconstruir o que foi destruído durante a guerra”.

A violência eclodiu no Darfur, em 2003, quando dois grupos recorreram à luta armada para protestar contra a pobreza e a marginalização sofridas pelos habitantes da região, iniciando um conflito sangrento que nos anos seguintes causou a morte de mais de 300 mil pessoas, segundo a ONU.

O então presidente Al-Bashir levou a cabo uma política de terra queimada na região, perseguindo a população não muçulmana com a ajuda do exército e de milícias acusadas de cometerem crimes de guerra e contra a humanidade.