Amy Klobuchar, senadora do Minnesota candidata à nomeação do Partido Democrata para as presidenciais, anunciou esta segunda-feira que desiste da corrida e que irá agora apoiar Joe Biden. “A campanha Klobuchar confirma que a senadora irá voar para Dallas para se juntar ao vice-presidente Biden no seu comício desta noite, altura em que suspenderá a sua campanha e apoiará o vice-presidente”, confirmou um porta-voz da campanha, citado pelo Washington Post.

A decisão de Klobuchar surge um dia antes da chamada “Super Tuesday” (“Super terça-feira”), dia em que 14 estados do país votam em simultâneo nas eleições primárias do Partido Democrata. Joe Biden, que inicialmente não conseguiu vencer qualquer uma das primeiras etapas, foi o vencedor das últimas primárias, no estado da Carolina do Sul.

Este domingo, outro candidato, Pete Buttigieg, anunciou a sua desistência. Ambos fazem parte da ala mais moderada do partido, que conta agora com apenas dois candidatos ainda na corrida: o antigo vice-presidente Joe Biden, apoiado por Klobuchar, e o milionário Michael Bloomberg, que vai a votos pela primeira vez esta terça-feira. Horas depois do anúncio da campanha de Klobuchar, fontes próximas de Pete Buttigieg confirmaram à CNN e ao New York Times que o antigo presidente da Câmara de South Bend (Indiana) pretende também apoiar Joe Biden esta Super Tuesday.

A senadora Amy Klobuchar tinha anunciado a sua candidatura em fevereiro de 2019, na cidade de Minneapolis, sob um intenso nevão. Não foi um erro de produção — foi de propósito. “Não é um pequeno nevão que nos vai parar. Não vai ser um bocadinho de frio que nos vai parar”, começou por dizer, com a voz a fraquejar com o frio, perante uma pequena multidão de apoiantes encasacados e de gorros na cabeça.

“Quando eu disse que os líderes eleitos devem ir não apenas ao sítios que são confortáveis mas também aos sítios que não são confortáveis, era a isto mesmo que eu me referia”, acrescentou, apontando em volta.

O ponto estava mais do que estabelecido: Amy Klobuchar quis projetar-se como uma candidata a toda a prova. O problema é que, como aquela tarde de fevereiro no Minnesota, a campanha de Amy Klobuchar nunca chegou a aquecer verdadeiramente. No Iowa, ficou em quinto lugar. No New Hampshire, ficou em terceiro lugar com 19,7%, o que chegou a dar-lhe algumas esperanças.

Os dois estados seguintes demonstraram que nada disso passou de uma ilusão: tanto no Nevada como na Carolina do Sul ficou em sexto lugar, resultado de não ter conseguido angariar votos entre minorias étnicas e de ser uma moderada com a forte concorrência de Joe Biden e Pete Buttigieg, além da omnipresente sombra de Michael Bloomberg. Agora, nesta Super Tuesday, estará apenas como apoiante, ao lado de um deles.