Horas depois de ter apresentado a sua renúncia à liderança do Tribunal da Relação de Lisboa, Orlando Nascimento enviou um email emocionado de despedida aos colegas desembargadores e aos funcionários daquele tribunal superior. “Chegou a hora de me despedir. Durante este tempo em que trabalhei, como Vice-Presidente e Presidente, fiz o melhor que pude, à vista de todos, sem pin no telemóvel e sem palavra-chave no computador”, começou por afirmar, numa alusão à transparência que diz ter pautado o seu mandato.

Apesar de ter o estatuto de testemunha nos autos da Operação Lex, Orlando Nascimento é suspeito de ter agido em conluio com Vaz das Neves, o seu antecessor à frente da Relação de Lisboa que foi constituído arguido por corrupção e abuso de poder naqueles autos. Por isso mesmo, fez questão de afirmar aos seus colegas desembargadores que fez “como a consciência e o sentido do dever me ditou, algumas vezes com uma rigidez, que me não é própria, mas sempre com o espírito do dever a cumprir, por sobre tudo o resto. Se exagerei, peço desculpa.”

O juiz desembargador acrescentou ainda: “Entrei com os primeiros e saí com os últimos. Não levo nada!”, enfatizou.

Leia a mensagem na íntegra de Orlando Nascimento:

“Caros/as Colegas
Senhores funcionários/as
Meus amigos e amigas
Chegou a hora de me despedir. Durante este tempo em que trabalhei, como Vice-Presidente e Presidente, fiz o melhor que pude, à vista de todos, sem pin no telemóvel e sem palavra-chave no computador.
Entrei com os primeiros e saí com os últimos.
Não levo nada!
Se me acharem merecedor, guardem-me um lugar nos vossos corações.
Orlando Santos Nascimento”