O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu esta segunda-feira à Europa que “tome a sua parte do fardo” que é o acolhimento de migrantes, depois de abrir as suas fronteiras na tentativa de obter mais apoio ocidental na questão da Síria.

Depois de abrirmos as portas, multiplicaram-se os telefonemas. Disseram-nos: ‘Fechem as portas’. Eu respondi: ‘Está feito, está terminado. As portas estão agora abertas. Agora vocês irão tomar a vossa parte do fardo'”, disse durante um discurso em Ancara.

Para obter mais apoio ocidental na questão da Síria, a Turquia anunciou na semana passada a abertura de suas fronteiras com a Europa para deixar sair os migrantes que estão no seu território.

O chefe de Estado turco deve receber o primeiro-ministro búlgaro, Boïko Borissov, cujo país faz fronteira com a Turquia, esta segunda-feira à noite. Erdogan também disse que teria uma conversa por telefone com a chanceler alemã, Angela Merkel.

A Turquia alberga mais de quatro milhões de refugiados e migrantes, principalmente sírios, e diz que não será capaz de lidar sozinha com um novo fluxo, já que quase um milhão de pessoas em fuga da violência em Idlib estão na sua fronteira.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse esta segunda-feira que espera obter um cessar-fogo para acabar com a violência na região síria de Idlib durante a reunião de quinta-feira com o seu homólogo russo, Vladimir Putin.

O conflito na Síria matou mais de 380.000 pessoas desde o início em 2011.

O exército turco anunciou esta segunda-feira que continua a sua operação militar na Síria em retaliação aos 33 soldados que morreram na sexta-feira passada num bombardeamento do exército sírio a posições turcas em Idlib, a última província onde ‘jihadistas’ rebeldes, apoiados pela Turquia, resistem ao regime.